Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Com novo técnico, Bellucci busca ter maior regularidade

Por Giuliander Carpes

Monte Mor – A temporada 2012 ainda nem começou, mas Thomaz Bellucci já pensa em fazer um segundo semestre melhor do que nos últimos anos. A sequência de torneios em quadras rápidas, sempre na segunda metade do ano, tem feito seu ranking cair. Só que agora o tenista brasileiro tem ao seu lado o técnico argentino Daniel Orsanic, que sempre foi um exímio duplista e conhecedor dos atalhos nos pisos mais velozes.

“O objetivo este ano é melhorar minha regularidade no segundo semestre. Eu sempre tenho um início de temporada, no saibro, que me coloca entre os 25 melhores do ranking, mas depois acabo caindo para 35, 40 do mundo”, afirma Bellucci, que iniciou pré-temporada com Orsanic no Haras Larisa, no interior de São Paulo. Nesta semana, os dois partem para mais uma etapa de treinos, agora em Buenos Aires, na Argentina, antes do brasileiro jogar o Torneio de Auckland, em janeiro, na Nova Zelândia, que é preparatório para o Grand Slam da Austrália.

Orsanic explica que este período que os dois vão passar juntos serve para se conhecerem melhor e, principalmente, colocar em dia a preparação física. “Temos conversado bastante sobre tênis, mas também sobre tudo mais durante esta semana. Precisamos deste tempo para que depois possamos dar nossos primeiros passos juntos”, revela o técnico argentino, recentemente contratado por Bellucci – ele assumiu o cargo que era de Larri Passos.

O argentino ressaltou que vai respeitar as características de Bellucci para depois tentar agregar algumas ferramentas novas ao seu jogo. A principal delas talvez seja fazer com que o brasileiro consiga finalizar mais pontos perto da rede. “É algo que considero necessário porque há muitos jogadores bons do fundo de quadra atualmente e que vendem os pontos muito caro. Chegar à rede facilitaria derrotá-los’, diz Orsanic.

Bellucci é muito criticado por uma suposta fragilidade mental, mas Orsanic ressalta que todo tenista tem limitações neste quesito. “Até o Djokovic teve que vencer certas dificuldades psicológicas para hoje chegar ao posto de número 1. Aos poucos, vou vendo quais são os desafios do Thomaz e vamos trabalhando para ultrapassá-los”, afirmou o técnico, citando o sérvio Novak Djokovic, que hoje ocupa a liderança do ranking mundial. O próprio brasileiro minimiza as dificuldades mentais. “Acho que isso vem com o amadurecimento e, aos poucos, vamos melhorando essa parte”, avisa.