Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Com mudanças e sem torcida, Corinthians pega Millonarios

Renato Augusto e Alexandre Pato ganham lugar no time titular, que tenta esquecer os problemas extracampo e vencer a primeira na competição

Por Da Redação 27 fev 2013, 07h11

“Vamos sentir, pode ter certeza absoluta. Nunca trabalhei nesse tipo de situação, mas vamos jogar pra caramba”, promete Tite, falando sobre jogar sem torcida

Esquecer os problemas extracampo e se concentrar apenas no futebol e na necessidade de vencer são as missões do Corinthians para o duelo desta quarta-feira contra o Millonarios, às 22h, no Pacaembu, em jogo pela segunda rodada do Grupo 5 da Copa Libertadores. É verdade que não será nada fácil esquecer: o estádio estará vazio, sem torcedores, por causa da punição aplicada pela Conmebol ao clube por causa da morte do torcedor boliviano Kevin Beltran Espada, de 14 anos, no jogo da semana passada contra o San José, na Bolívia, e os jogadores, acostumados a casa cheia até mesmo em jogos no modesto Campeonato Paulista, terão de enfrentar uma sensação diferente: jogar diante do silêncio.

Leia também

PM prepara segurança para caso de concentração de torcedores

MPF pede condenação de Emerson Sheik por contrabando

Na Bolívia, a confissão do menor corintiano não convence

Continua após a publicidade

Não deve ser um silêncio total, já que grupos de torcedores prometem se reunir na Praça Charles Miller, que fica em frente ao estádio, para empurrar o time aos gritos, ainda que a diretoria do clube tenha pedido que isso não aconteça e a principal organizada, a Gaviões da Fiel, tenha dito que vai concentrar os membros em sua sede, no Bom Retiro, a alguns quilômetros do Pacaembu. E o técnico Tite admitiu que os jogadores certamente vão sentir a diferença, mas disse que nem por isso haverá menos motivação e vontade em campo. “Vamos sentir, pode ter certeza absoluta. Nunca trabalhei nesse tipo de situação, mas vamos jogar pra caramba. É uma nova situação, um novo desafio, uma oportunidade de retribuir aos torcedores que têm sido carinhosos conosco. Vamos competir, lutar e merecer vencer, ter esse sabor é inigualável. É isso o que a torcida quer. A Libertadores, por si só, é extraordinária. É uma grande competição, que te credencia para o Mundial. Além disso, tem a busca dos atletas pela titularidade, por produzir bem, ter crescimento profissional, reconhecimento da imprensa.”

Dentro de campo, um assunto que ficou ofuscado no noticiário corintiano dos últimos dias, Tite vai fazer duas mudanças no time titular. Alexandre Pato ganha uma vaga no time titular, no lugar de Emerson Sheik, que sentiu dores no joelho e vem numa semana complicada: atrasou-se dois dias seguidos para chegar ao treino, alegando problemas particulares, e ainda teve sua condenação à prisão pedida pelo Ministério Público Federal num processo que o acusa de contrabando de dois carros importados. A outra alteração é a entrada de Renato Augusto no lugar de Jorge Henrique, contundido.

O Millonarios chegou no início da semana ao Brasil e treinou no CT do São Paulo. O time vem de derrota em casa para o Tijuana Xolos, por 1 a 0, e o técnico Hernán Torres quer pelo menos um empate para manter as chances de classificação. E acredita que a ausência de público não deve fazer diferença. “Os torcedores podem tanto apoiar quanto pressionar o time da casa. Minha equipe tem que se preocupar apenas em jogar seu futebol”, disse o treinador. Mas quem estará dentro de campo tem opinião diferente. “‘A ausência do público muda o contexto do jogo, até pelo que significa a torcida do Corinthians. Tentaremos manter a concentração, já que jogar em um estádio tão grande e sem público pode ser difícil”, prevê o zagueiro Ignacio Ithurralde.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Um dos jogadores do time é conhecido do público brasileiro: o atacante Waso Rentería, que ficou famoso no Internacional, quando comemorava seus gols pulando como um saci, mascote do clube, e depois jogou também por Atlético-MG e Santos. O técnico também: em 2011, Hernan Torres comandava o Tolima, que eliminou o Corinthians na pré-Libertadores com um empate por 0 a 0 no Pacaembu e uma vitória por 2 a 0 na Colômbia. “Já é passado. Na quarta-feira será uma história nova. Já não é o mesmo Corinthians. Hoje o Corinthians é bicampeão do mundo”, diz.

(Com agências EFE e Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade