Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Com mais um prazo ignorado, Fifa, assustada, vai à capital

Estádio Brasília, o palco da abertura da Copa das Confederações, só deve ser entregue em maio. Representantes do COL vão inspecionar o local nesta terça

Por Da Redação 16 abr 2013, 09h42

O governo do DF justificou o adiamento da inauguração culpando as fortes chuvas dos últimos dias. Esse tipo de clima, porém, é tradicional na região nesse período do ano. Não seria difícil, portanto, saber que a reta final das obras seria prejudicada por isso

Representantes da Fifa e do Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo de 2014 deverão visitar as obras do Estádio Nacional de Brasília ainda nesta terça-feira. Os dirigentes estão alarmados com a notícia de que o governo do Distrito Federal adiou a inauguração do local, palco da abertura da Copa das Confederações, com a partida entre Brasil e Japão, em 15 de junho. Inicialmente, a abertura da arena estava marcada para o próximo domingo, dia 21 – a poucos dias, portanto, do limite do prazo estabelecido pela Fifa, que exigia a entrega de todos os estádios do torneio neste mês de abril. Agora, porém, o local só será inaugurado em 18 de maio, a menos de um mês do início do torneio, que servirá de teste para o Brasil antes do Mundial do ano que vem. Em nota divulgada na noite de segunda, a Fifa e o COL disseram ter “grande preocupação” com a situação de Brasília. A visita desta terça, diz o texto, servirá para “avaliar a situação em detalhes e melhor compreender o ajuste do cronograma para a entrega da arena”.

Leia também:

Brasília: um monumento bilionário ao desperdício na Copa

A jogada mais ousada de Ronaldo, o dono da bola no país

Prepare o bolso: os elefantes brancos estão à solta no país

O governo do DF justificou o adiamento da inauguração culpando as fortes chuvas dos últimos dias. Esse tipo de clima, porém, é tradicional na região nesse período do ano. Não seria difícil, portanto, saber que a reta final das obras seria prejudicada por isso – o que exigiria um planejamento mais cauteloso e detalhado. De acordo com o secretário extraordinário da Copa no DF, Cláudio Monteiro, a grama preparada para o estádio poderia sofrer danos caso fosse fixada nos próximos dias, justamente em função dos temporais. “As chuvas estão fortes há 15 dias, inclusive à noite. Isso não tem permitido que a drenagem seja construída”, explicou ele. De acordo com o secretário, realizar a inauguração agora poderia atrapalhar o processo e fazer com que o gramado ficasse prejudicado a longo prazo. A reinauguração do estádio, que contaria com a presença da presidente Dilma Rousseff, aconteceria na comemoração do 53º aniversário da fundação de Brasília.

Leia também:

Continua após a publicidade

Copa dá arenas a quem não precisa e ignora quem as quer

Na reta final, surge o temor sobre os ‘puxadinhos’ da Copa

Como a Copa vai obrigar o país a enfrentar seus problemas

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga Veja Esporte no Twitter

(Com agências Gazeta Press e EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade