Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Com 3 de Neymar, seleção goleia com facilidade na África

A equipe de Felipão marcou 5 a 0 no retorno do Brasil ao Estádio Soccer City, quatro anos depois. Agora, todos esperam a convocação de Felipão, em maio

Rafinha e Fernandinho tiveram boas atuações e devem entrar de vez na briga para ir à Copa. O volante ainda marcou um golaço

Depois da eliminação na Copa do Mundo de 2010, a seleção brasileira precisou de quase quatro anos para voltar a mostrar consistência. Menos mal que tenha conseguido encontrar seu jogo justamente na reta final dos preparativos para o próximo Mundial. Depois de sofrer com a irregularidade no período em que foi comandada por Mano Menezes, a seleção pentacampeã do mundo enfim voltou a ser constante e convincente: o resultado pode até variar, mas o torcedor sabe que a equipe será sempre competitiva, organizada e segura. E não foi diferente no último amistoso antes da convocação para a Copa, nesta quarta-feira, contra a África do Sul, no Estádio Soccer City. De volta a Johannesburgo depois da decepção de 2010, a equipe não teve dificuldades para bater a equipe da casa, 5 a 0, gols de Oscar, Neymar (que marcou três) e Fernandinho.

Mesmo jogando em ritmo de amistoso, sem a mesma intensidade que mostrou na Copa das Confederações, o Brasil ganhou a partida de forma categórica e tranquila, sem precisar forçar. Foi a sexta vitória consecutiva da equipe de Luiz Felipe Scolari, o 13º triunfo nos últimos catorze jogos – a última derrota foi para a Suíça, em agosto de 2013, num amistoso morno disputado depois da conquista da Copa das Confederações. A seleção tem mais dois compromissos antes da estreia na Copa, em 12 de junho, contra a Croácia. Em 3 de junho, ela enfrenta o Panamá no Estádio Serra Dourada, em Goiânia. No dia 6, um amistoso com a Sérvia, no Morumbi, em São Paulo, fecha a preparação. Antes disso, em 7 de maio, Felipão anuncia a lista de convocados para o Mundial. A apresentação dos 23 escolhidos está marcada para 26 de maio, na Granja Comary, em Teresópolis.

Leia também:

Seleções favoritas ao título têm poucas dúvidas para Copa

Quem se poupar no clube pode não ir à Copa, diz Felipão

Se o país não está pronto, a seleção está, garante Felipão

Brasil, 100 dias para a Copa do Mundo. Sem dias a perder

Felipão fará a convocação para a Copa em casa de shows

Novas camisas – A seleção retornou ao estádio Soccer City (que estava quase vazio) pouco menos de quatro anos depois de derrotar a Costa do Marfim, ainda na primeira fase no Mundial. Depois de um bom início de jogo, em que dominou completamente a seleção da casa, o Brasil – que estreou o uniforme que usará na Copa – abriu o placar aos 9 minutos, quando Hulk, na direita, lançou com perfeição e deixou Oscar na cara do goleiro. O meia do Chelsea invadiu a área em velocidade e deu um bonito toque para marcar. A seleção passou a administrar a partida, jogando sem muita pressa nem intensidade. Neymar teve uma chance de ouro para ampliar aos 28, quando arrancou da intermediária, deixou seu marcador para trás e tentou encobrir o goleiro Williams com sutileza. O sul-africano bloqueou o arremate. O camisa 10 já tinha esbarrado em Williams aos 20 minutos, quando foi lançado em profundidade e invadiu a área para finalizar, mas acabou perdendo o ângulo e sendo bloqueado pelo goleiro.

No fim da primeira etapa, Neymar teve mais uma chance pela esquerda, mas abusou dos dribles e acabou sendo desarmado na entrada da pequena área. Fred (que mostrou boa movimentação, apesar das preocupações com sua condição física) esperava o cruzamento. Logo em seguida, aos 40, o craque foi mais objetivo e ampliou a vantagem brasileira: disparou com a bola dominada e chutou de esquerda, rasteiro, com facilidade. O primeiro tempo terminou com o único susto da África do Sul no goleiro Júlio César: Furman chutou de longe, forte e rasteiro, mas a bola foi para fora. A seleção brasileira voltou com uniforme diferente, mostrando pela primeira vez a camisa reserva para a Copa, toda azul (e, no jogo desta quarta, com uma braçadeira preta com o número 46664, homenagem a Nelson Mandela – esse era seu número de identificação na prisão de Robben Island). De roupa nova, a equipe precisou de apenas 19 segundos para aumentar o placar. Fred conseguiu um belo lançamento para Neymar, que ficou livre para encobrir o goleiro – desta vez, com sucesso.

Novatos em alta – Com o jogo resolvido, Felipão decidiu promover várias mudanças, uma forma de observar mais atletas em ação neste amistoso final antes da divulgação dos convocados. Não que o técnico ainda tenha grandes dúvidas: os jogadores que entraram estão praticamente garantidos no Mundial. Ramires substituiu Oscar, Luiz Gustavo entrou no lugar de Paulinho, Marcelo ocupou a vaga de Daniel Alves, Dante entrou no lugar de David Luiz e Jô substituiu Fred. Talvez o nome menos certo na Copa seja Willian, que teve a chance de entrar no lugar de Hulk e apareceu bem. As novidades na escalação de Felipão tiveram mais tempo para jogar e permaneceram em campo. Rafinha e Fernandinho tiveram boas atuações e devem entrar de vez na briga para ir à Copa. Com a equipe já em ritmo de treino, o segundo tempo foi protocolar, com pouquíssimas chances. Uma das poucas oportunidades do Brasil foi desperdiçada por Daniel Alves, que recebeu por trás dos zagueiros mas chutou no goleiro. Aos 33 minutos, Fernandinho ficou ainda mais perto da Copa ao marcar um golaço, soltando uma bomba de fora da área. Neymar fechou a goleada já nos acréscimos. Daniel Alves cruzou da esquerda, Jô escorou de cabeça e o camisa 10 só tocou para o fundo do gol.