Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

COI refaz testes e pune 31 atletas dos Jogos de Pequim por doping

O Comitê Olímpico Internacional identificou as irregularidades com a intenção de impedir a participação desses atletas na Rio-2016, que começará em agosto

Depois de refazer testes de doping com amostras que haviam sido guardadas de atletas que competiram nos Jogos de 2008, em Pequim, o Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou nesta terça-feira que 31 deles deram positivo. A punição: esses atletas “serão impedidos de competir nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro”, em agosto. Sem revelar o nome dos envolvidos, o COI indicou que os competidores são de 12 países.

No total, 454 amostras colhidas nos Jogos de Pequim, em 2008, foram reexaminadas. A iniciativa foi concentrada em atletas que poderiam participar do evento no Rio. Oito anos depois do primeiro teste com as mesmas amostras, o COI agora usou novas tecnologias e concluiu que 31 competidores, divididos em seis modalidades, foram flagrados com substâncias ilícitas no sangue.

A entidade ainda promete testar outras 250 amostras de atletas que estiveram nos Jogos de Londres, em 2012, e, caso haja irregularidades nas amostras, também proibi-los de ir à Rio-2016.

LEIA TAMBÉM:

Doping por Meldonium, uma nova ameaça para a Rio-2016

Rio-2016: governo cria código e tribunal para casos de doping

O doping volta com tudo em 2016; relembre casos históricos

Renovação dos exames antidoping – Outra iniciativa prometida pelo COI é refazer os testes em todos os medalhistas de Pequim e de Londres. Isso pode ser encarado como uma demonstração do impacto que as revelações sobre o doping no esporte russo tiveram na entidade. Até mesmo os atletas que ganharam medalhas por causa da desclassificação de outros por doping também terão seus exames reexaminados.

“Nós mantemos as amostras por dez anos para garantir que aqueles que violam as regras jamais possam descansar”, disse Thomas Bach, presidente da entidade. “Ao impedir tantos atletas de competir no Rio, estamos mostrando nossa determinação em proteger a competição “, completou Bach.

(Com Estadão Conteúdo)