Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

COB quer Brasil entre os dez melhores nos Jogos do Rio

Entidade apresentou suas metas para a próxima Olimpíada, em 2016

Por Da Redação 23 jul 2014, 12h51

O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) apresentou nesta quarta-feira, no Rio, as metas para os Jogos Olímpicos do Rio, em 2016. Com investimentos públicos e privados que devem atingir 1,32 bilhão de reais, a expectativa é que o Brasil alcance pelo menos a décima colocação no quadro geral de medalhas. Pelo cálculo do COB, o Brasil terá de praticamente dobrar o número de conquistas em relação à Olimpíada de 2012, 17 pódios.

Leia também:

‘Brasil dará prioridade absoluta à Olimpíada’, afirma COI

Presidente do COI vê avanço na preparação da Rio 2016

Interventor do COI mostra otimismo com obras do Rio

Continua após a publicidade

Rio inicia obras ‘simples’ em Deodoro por R$ 643 milhões

Marcus Vinícius Freire, superintendente executivo de Esportes, prevê que cerca de 400 atletas brasileiros estarão na competição (já há 300 vagas garantidas). Para ficar entre os dez melhores da Olimpíada, o COB e as federações olímpicas querem arrecadar mais de 1 bilhão de reais via Ministério do Esporte, Lei Agnelo Piva e patrocínios. Segundo Freite, o valor já está próximo disso.

Medalhas – O COB leva em consideração a soma das medalhas de ouro, prata e bronze, e não apenas o número de ouros – usado na Olimpíada como primeiro critério para estabelecer a ordem dos países no quadro de medalhas. Pela metodologia do comitê brasileiro, o Brasil ficou em 15º em Londres-2012, mas para o Comitê Olímpico Internacional (COI) a real colocação foi o 22º, com três ouros.

“Temos como meta ganhar medalhas em pelo menos dez modalidades – nossa média é de sete. Nosso planejamento tem dois verbos: tornar e manter. Tornar o Brasil uma potência olímpica em 2014, e manter para os Jogos de 2020, 2024, 2028”, disse Freire.

Medalhista no vôlei de praia e gerente geral de planejamento esportivo do COB, Adriana Behar disse que o comitê monitora o desempenho dos atletas e mantém um estudo sobre as reais chances de alcançar entre 28 e 30 medalhas em 2016. Segundo ela, o Brasil precisa chegar ao pódio no vôlei, vôlei de praia, judô e vela, que historicamente têm tido bom desempenho, e no futebol, tanto masculino quanto feminino. Como modalidades com potencial de medalhas estão boxe e ginástica.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade