Clique e assine a partir de 9,90/mês

Clubes espanhóis devem ao fisco 670 milhões de euros

Valor era de 750 milhões de euros no começo do ano

Por Da Redação - 18 abr 2013, 20h20

Os clubes de futebol da Espanha devem 670 milhões de euros (aproximadamente 1,77 bilhão de reais) ao fisco local, informou nesta quinta-feira o presidente do Conselho Superior de Esportes do país, Miguel Cardenal – no ano passado eram 750 milhões de euros (1,98 bilhão de reais). O dirigente recomenda uma série de medidas para resolver o problema – entre elas, a negociação coletiva dos direitos de TV pelos clubes, o que não acontece no país há alguns anos. Os gigantes Real Madrid e Barcelona, segundo a revista Forbes, o primeiro e o terceiro clube mais valiosos do mundo, respectivamente, têm acordos individuais que lhes permite receber quase o triplo do valor que é pago ao Atlético de Madri, outro dos grandes da Espanha. Vários clubes do país estão em crise declarada – o Málaga inclusive foi banido das competições europeias na próxima temporada pela Uefa, por quebrar as regras de fair play financeiro.

Leia também:

Leia também: Real é clube mais valioso do mundo. Corinthians é o 16º

Cardenal defendeu a criação de uma nova lei que obrigue a venda coletiva em vez da individual. “A ideia é que a nova lei incorpore a venda conjunta e que se venda como só um pacote, que inclui todas as equipes. Os clubes têm de decidir a divisão, é uma das chaves dessa comercialização.” Na maioria das principais ligas europeias, essa negociação é coletiva, enquanto o Brasil seguiu a receita espanhola e adotou, nos últimos anos, a negociação individual, que colocou Corinthians e Flamengo no topo entre os clubes que mais recebem dinheiro da televisão.

Continua após a publicidade

Veja outras reportagems sobre Negócios do Esporte

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade