Clique e assine a partir de 8,90/mês

Clubes de SP terão plano contra violência das organizadas

Os quatro grandes do estado firmaram compromisso com Ministério Público

Por Da Redação - 19 nov 2013, 08h23

Os quatro grandes clubes de São Paulo – Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo – e a Federação Paulista de Futebol (FPF) anunciaram nesta segunda-feira um plano para tentar impedir as brigas nos estádios. Eles assinaram no Ministério Público de São Paulo um termo de compromisso para tentar controlar melhor a atuação dos torcedores organizados.

Os clubes e a FPF se responsabilizaram por mudanças que ajudem na identificação e punição de torcedores, depois que as brigas voltaram a se tornar rotina no futebol brasileiro em 2013. Estas medidas passarão a valer a partir do Campeonato Paulista de 2014, mas serão tomadas em todas as competições que eles disputarem durante o ano, inclusive as internacionais.

Leia também:

Bom Senso quer estadual com formato de Copa do Mundo

Mano entra no lugar de Tite no Corinthians em 2014

Torcedor do Cruzeiro morre durante comemoração em BH

CBF ameaça, mas Bom Senso FC intensifica seu protesto

Continua após a publicidade

A FPF ficará responsável pelo controle do acesso dos associados de torcidas organizadas, que acontecerá através de um cartão com chip e foto. O objetivo é impedir o acesso aos estádios de torcedores que tenham participado de brigas ou que tenham problemas judiciais. Se tentarem entrar, o cartão comunicará imediatamente a polícia.

Já os quatro clubes terão a tarefa de modernizar seus estádios para ajudar na identificação dos torcedores. São Paulo, Corinthians, Palmeiras e Santos terão de instalar câmeras de alta definição que possam localizar e identificar qualquer torcedor presente em seus estádios. Em caso de distúrbios, as equipes terão que enviar as imagens para o Ministério Público.

Caso essas medidas não sejam cumpridas, o clube será multado em 200 000 reais e um novo prazo para a execução será estabelecido. Se o termo de compromisso for descumprido outra vez, uma nova multa será aplicada e um novo prazo também será implementado. Não haverá limite de multas.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Há ainda a possibilidade de que Ponte Preta e Guarani sejam incluídos num futuro acordo. Segundo o promotor Roberto Senise Lisboa, a intenção é ir aperfeiçoando o termo de compromisso ao longo dos anos. “Ficou acertado que daqui um ano esse termo terá eventuais imperfeições corrigidas. A ideia é expandir para outros setores dos estádios, não apenas nos locais onde ficam as organizadas.”

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade