Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Classificada, Colômbia enfrenta o desesperado Japão

Japoneses precisam vencer e torcer contra a Costa do Marfim para avançar

A Colômbia, única garantida do grupo C nas oitavas de final, enfrenta um Japão desesperado nesta terça-feira, em Cuiabá, na Arena Pantanal, às 17h (de Brasília), para garantir o primeiro lugar da chave. No mesmo horário, Costa do Marfim e Grécia se encaram em Fortaleza.

Leia também:

Japão: supremacia só nas arquibancadas

Colômbia vence Costa do Marfim e fica perto das oitavas

Colômbia reclama de maus-tratos da Polícia Federal em São Paulo

Para a Colômbia, um empate garante a ponta do grupo. As três outras equipes têm chances de classificação, basta algumas combinações de resultado. A Costa do Marfim, com três pontos e saldo de gols zero, depende apenas de si e avança com uma vitória. Japão, com saldo de menos um, e Grécia, de menos três, têm um ponto e dependem da derrota dos africanos. O primeiro colocado da chave enfrenta o segundo colocado do grupo D, liderado pela surpreendente Costa Rica, no próximo sábado, no Maracanã.

As duas equipes se enfrentam pela terceira vez na história – a primeira em Copas do Mundo. Em 2003, vitória dos colombianos por 1 a 0 na Copa das Confederações. Quatro anos depois, empate por 0 a 0 em um amistoso em Saitama, no Japão. A partida desta terça também pode presenciar um fato histórico. Se o goleiro colombiano Faryd Mondragón entrar em campo, ele quebrará o recorde de jogador mais velho a disputar uma partida no Mundial, com 43 anos, quebrando a marca do camaronês Roger Milla de 1994, quando tinha 42 anos e 39 dias.

O treinador da Colômbia, José Pekerman, deve alterar a equipe para a partida desta terça. O zagueiro e capitão Mario Yepes e o volante Carlos Sánchez, pendurados com dois cartões amarelos cada, podem ser substituídos por Carlos Valdés e Fredy Guarín, respectivamente. No meio, o técnico também pode dar um descanso para James Rodríguez, destaque da equipe, e escalar Juan Fernando Quintero.

Com desempenhos muito abaixo do esperado nas duas primeiras partidas, a seleção japonesa, comandada pelo italiano Alberto Zaccheroni, deve ter Shinji Kagawa de volta na equipe titular. “Não estou satisfeito com o rendimento e os resultados da equipe”, afirmou o técnico. A chance de classificação é remota, mas eles acreditam até o fim.

(Com agências AFP e EFE)