Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ciclista belga que usou motor em bicicleta é suspensa por seis anos

Femke Van Den Driessche foi flagrada em janeiro utilizando o equipamento irregular; Esse é o primeiro caso de doping mecânico da história do ciclismo

A ciclista belga Femke Van Den Driessche, de 19 anos, foi suspensa por seis anos do esporte pela União Ciclística Internacional (UCI), nesta terça-feira, depois de ser flagrada, há mais de dois meses, utilizando um motor elétrico em sua bicicleta durante uma prova do Mundial Sub-23 de ciclismo cross. Esta é a primeira punição da história do ciclismo relativa ao chamado “doping mecânico”, prática ilegal que sugere o uso indevido de tecnologias ou meios eletrônicos para obter vantagem em uma competição esportiva.

“Este caso é uma grande vitória para a UCI e todos aqueles torcedores, ciclistas e equipes que querem ter certeza de que vamos manter esta forma de fazer trapaça fora do nosso esporte”, afirmou o presidente da UCI, Brian Cookson, em um comunicado divulgado no site oficial da entidade.

A sanção a Van den Driessche, que vai até 10 de outubro de 2021, também inclui a retirada do título europeu sub-23 conquistado em novembro de 2015 e uma multa de 20 mil francos suíços (cerca de 73 mil reais). A ciclista já havia declarado que não iria participar da audiência disciplinar na sede da UCI e que, definitivamente, não irá mais voltar a competir profissionalmente.

LEIA TAMBÉM:

Doping por Meldonium, uma nova ameaça para a Rio-2016

O doping volta com tudo em 2016; relembre casos históricos

Sharapova é suspensa pela ITF até julgamento de caso de doping

O pequeno motor foi encontrado em uma análise da comissão de provas, que detectou a irregularidade por meio de um equipamento de ressonância magnética, após o Mundial Sub-23 feminino de ciclismo cross, na Bélgica, em janeiro. “O motor era um Vivax, que estava escondido junto com uma bateria no cano do assento”, explicou a UCI. “Era controlado por um interruptor via Bluetooth instalado debaixo da fita do guidão”, acrescentou a entidade.

A UCI revela que o processo de “escaneamento” feito por aparelhos de ressonância nas bicicletas é uma forma plausível para fiscalizar outros possíveis casos de doping mecânico que surgirem futuramente: “Este novo método de teste foi avaliado em estudos para ser extremamente eficaz na localização de motores ocultos ou outras formas de fraude tecnológica por rapidamente detectar motores, campos magnéticos e objetos sólidos escondidos em um quadro ou componentes”.

(Com Estadão Conteúdo)