Clique e assine a partir de 9,90/mês

Chefe da federação russa de atletismo é suspenso por obstruir investigação

Dmitry Shlyakhtin foi acusado de atrapalhar investigações antidoping contra um atleta da Rússia

Por Da Redação - Atualizado em 21 nov 2019, 16h54 - Publicado em 21 nov 2019, 16h48

A Unidade de Integridade do Atletismo (AUI, na sigla em inglês), órgão ligado a Federação Internacional de Atletismo (Iaaf), suspendeu nesta quinta-feira 21 o presidente da Federação Russa de Atletismo, Dmitry Shlyakhtin. O dirigente e mais seis membros da entidade foram acusados de obstrução na investigação sobre um possível caso de doping contra um atleta do país.

“A Federação Russa de Atletismo foi acusada por quebrar sérias normas antidoping, incluindo a falta de cooperação e obstrução de uma investigação. As acusações são resultado de 15 meses de pesquisas, que concluíram os oficiais estão envolvidos da provisão de falsas explicações e falsificação de documentos”, disse a AUI, em nota.

A AUI, reguladora disciplinar do atletismo mundial, investiga Shlyakhtin por supostamente ajudar o saltador Danil Lysenko, acusado de apresentar registros médicos falsos depois de faltar em exame antidoping. O atleta de 22 anos e seu técnico, Evgeny Zagorulko também terão de responder às acusações. Segundo a AUI, os russos têm até o dia 12 de dezembro para apresentar defesa.

Oficialmente, a própria Federação Russa está suspensa de competições oficiais desde 2015, quando foi descoberto um escândalo de doping institucionalizado no país – alguns atletas puderam competir na Rio-2016 sob uma bandeira neutra. Desde então, vários recursos foram apresentados pela entidade à Federação Internacional de Atletismo (IAAF), mas sem sucesso. A suspensão à entidade, caso seja confirmada a obstrução das investigações, poderá ser ampliada.

 

 

Em 2015, o Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou a suspensão da Rússia por um grande esquema de doping que envolveu vários atletas do país. A investigação concluiu que o Estado sabia e patrocinava meios ilícitos para beneficiar seus atletas. Depois de diversos recursos e retratações da Rússia, o COI retirou a suspensão no final do ano passado, possibilitando que o país dispute a Olimpíada de Tóquio, em 2020. A federação de atletismo, porém, ainda não está liberada para participar oficialmente do torneio, com seu emblema, hino e bandeira.

Continua após a publicidade
Publicidade