Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cerveja da Copa renova com Fifa. E ganha força para 2014

A Budweiser estendeu seu contrato multimilionário de patrocínio até 2022. Fica ainda mais improvável manter a proibição às cervejas nos estádios brasileiros

Executivo da InBev, também comemorou o acerto – e deixou claro que o patrocínio à Copa não é só uma questão de promoção da marca, mas também de venda de cervejas aos torcedores

A chance de o Brasil aprovar uma Lei Geral da Copa que não inclua uma autorização para a venda de bebidas alcoólicas nos estádios durante o Mundial ficou ainda menor nesta terça-feira. Pouca gente ainda achava que a Fifa aceitaria ceder e manter em vigor a proibição ao consumo de álcool nos estádios brasileiros da Copa. Um anúncio oficial feito pela entidade tornou essa hipótese ainda mais distante da realidade. De acordo com a Fifa, o grupo belgo-brasileiro Anheuser-Busch InBev renovou seu contrato de patrocínio para a Copa do Mundo, estendendo sua parceria com a Fifa por mais de uma década. A marca americana Budweiser, um dos produtos globais da empresa, já era a cerveja oficial da Copa de 2014, no Brasil. Agora, a marca está garantida também nos Mundiais de 2018, na Rússia, e 2022, no Catar.

Leia também: Por que o Brasil vai ter de ceder na Lei Geral da Copa

A renovação do contrato reduz a chance de exclusão das cervejas Budweiser dos estádios brasileiros na Copa porque sinaliza o tamanho do investimento feito pela empresa no evento. Considerada um dos parceiros comerciais mais importantes da Fifa, a InBev paga cerca de 25 milhões de dólares por ano à entidade no atual contrato. O valor do novo acordo não foi revelado, mas certamente torna inviável que a Fifa promova uma Copa do Mundo sem garantir à Budweiser um espaço de destaque nos estádios da Copa. A Bud foi patrocinadora oficial do torneio pela primeira vez na Copa do México, em 1986. A marca é a primeira a renovar seu contrato com a Fifa para os Mundiais de 2018 e 2022. E as declarações de Jeróme Valcke, o secretário-geral da entidade, deixam claro o tamanho do compromisso da Fifa com seus parceiros.

Leia também: No único recuo da Fifa, triunfo simbólico na Alemanha

No anúncio do acerto com a InBev, o braço-direito de Joseph Blatter afirmou que está “ansioso para trabalhar em cooperação com os patrocinadores até 2022 e até depois disso”. “Desde que se juntou à nossa família de patrocinadores, a Budweiser teve um papel vital no desenvolvimento da Copa do Mundo como grande evento”, disse o francês. Chris Burggraeve, executivo da InBev, também comemorou o acerto – e deixou claro em suas declarações que o patrocínio à Copa não é só uma questão de promoção da marca, mas também de venda de cervejas aos torcedores. De acordo com ele, a Copa é um “momento chave de comemoração e consumo de cerveja”. Com exceção de uma das sedes da Copa da Alemanha, todos os estádios das últimas Copas do Mundo só podiam vender cerveja da marca Budweiser.