Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

CBAt cancela o GP Brasil de Atletismo depois de 30 anos

Não realização do principal evento da modalidade no país se deu pela falta de patrocinadores.

O GP Brasil de Atletismo, principal evento internacional da modalidade no país, não será realizado pela primeira vez desde 1985. Nesta terça-feira, a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) informou o cancelamento da competição em 2015 alegando que não encontrou interessados em patrociná-lo na iniciativa privada nem em órgãos públicos. A entidade é patrocinada pela Caixa Econômica Federal.

Em meados de junho, a quatro dias do dia previsto para a realização do GP Brasil, a CBAt anunciou que havia conseguido autorização para adiar o evento para o dia 13 de setembro. À época, a competição foi marcada para Arena Caixa, em São Bernardo do Campo (SP), que em maio já recebeu o Troféu Brasil.

Leia também:

Presidente da federação de atletismo classifica denúncias de doping como ‘piada’

Um novo caso de doping no atletismo

TVeja: Brasileiros na Olimpíada

O governo do Estado de São Paulo havia se comprometido a pagar pelo evento. Em 12 de maio, a Secretaria Estadual de Esporte de São Paulo (SELJ), assegurou, em nota, “que estão previstos repasse de R$ 1.543.035,00 para o Grande Prêmio Internacional Caixa São Paulo de Atletismo”. O órgão estadual, entretanto, tem efetuado cortes na sua programação de eventos.

Realizado anualmente desde 1985, o GP Brasil estava agendado para ser realizado pela 10ª vez (a terceira consecutiva) no Mangueirão, em Belém. O governo do Pará, entretanto, avisou que não dispunha de recursos para apoiar o GP, que no ano passado custou ao menos 1,6 milhão de reais ao Estado e recebeu uma grande estrela do esporte, o jamaicano Asafa Powell.

A CBAt então passou para o “Plano B”, que era utilizar a verba prevista para o GP São Paulo para organizar, em setembro, o GP Brasil. Como o GP de Uberlândia (MG) foi cancelado, por falta de verbas, e o Pará recusou apoiar o GP Brasil, não havia como realizar somente o GP São Paulo, uma vez que os três eventos rateavam custos.

A CBAt não explicou se vai conseguir manter a chancela da série World Challenger, que dura desde 1990. O circuito é o segundo mais importante do mundo, atrás apenas da Diamond League. “Entendemos, então, que 2015 será apenas uma pausa e que no ano que vem estaremos novamente no circuito da IAAF”, argumentou o presidente da CBAt, José Antonio Martins Fernandes, o Toninho.

(com Estadão Conteúdo)