Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Catar-2022: Fifa volta atrás e decide publicar relatório

A entidade informou que publicará o levantamento feito pelo americano Michael Garcia sobre os escândalos envolvendo compra de votos

Por Da Redação 19 dez 2014, 14h54

Dois dias depois da demissão do investigador Michael Garcia, a Fifa anunciou nesta sexta-feira que publicará o relatório sobre os casos de corrupção na escolha das sedes das Copas do Mundo de 2018 e 2022 feito pelo americano. A entidade informou que o documento de 350 páginas será divulgado, mas ainda não estabeleceu um prazo para a publicação. O presidente da Fifa, Joseph Blatter, disse que ele próprio havia solicitado a publicação do relatório ao Comitê de Ética independente da Fifa. “Fico feliz por eles terem concordado em divulgá-lo”, afirmou o dirigente. Há dois meses, a Fifa havia negado os pedidos de Garcia, que exigia que o seu trabalho fosse publicado na íntegra.

Leia também:

Catar-2022: investigador se demite após Fifa encerrar caso

Fifa rejeita recurso e tenta encerrar caso da Copa de 2022

Fifa errou ao inocentar Catar, ataca o autor da investigação

Continua após a publicidade

Fifa recua e encaminha caso de corrupção à Justiça

Catar e Rússia não compraram a Copa do Mundo, diz Fifa

Em setembro, Garcia entregou um relatório detalhado, que continha provas contra dirigentes do Catar. Seu trabalho foi analisado pelo juiz alemão Hans Joaquim Eckert, contratado pela Fifa para julgar o caso supostamente de forma independente. Eckert elaborou um relatório reduzido, que evitou apontar culpados por atos de corrupção. No documento, o juiz admitiu casos pontuais de irregularidades, incluindo o pagamento de propina, mas considerou que estes episódios não deveriam colocar em xeque os processos de escolha das duas Copas.

Garcia respondeu dizendo que o relatório reduzido por Eckert era “incompleto e errôneo” e entrou com recurso contra a decisão do juiz – prontamente negado pela Fifa. Insatisfeito, o advogado americano pediu demissão do cargo na quarta-feira, causando mal-estar na entidade e ampliando as suspeitas sobre as investigações promovidas pela Fifa. “Nenhum comitê independente, investigador ou painel de árbitros pode mudar a cultura de uma organização. Por dois anos, desde 2012, senti que o Comitê de Ética da Fifa estava fazendo progressos. Mas, nos últimos meses, isso mudou” atacou Garcia.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade