Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Caso renove com a F1, Doria quer mudar nome da prova para GP de São Paulo

O governador paulista se reunirá com organizadores do evento para negociar a renovação do contrato por 10 anos

Por Danilo Monteiro - 17 nov 2019, 13h39

O Governo e a Prefeitura de São Paulo continuam em negociação para renovar o contrato do Autódromo de Interlagos com a Fórmula 1. Horas antes do início do Grande Prêmio do Brasil, o governador de São Paulo João Doria sentou-se ao lado do americano Chase Carey, CEO do grupo proprietário da categoria, a Liberty Media Corporation, para dizer que não pode revelar muitos detalhes dos novos termos que estão sobre a mesa. O único ponto divulgável, segundo ele, é a proposta de mudança de nome da prova brasileira.

“O único ponto que posso revelar antecipadamente da negociação é que, se concluirmos positivamente a reunião, o evento passará a se chamar Grande Prêmio de São Paulo de Fórmula 1”, falou Doria, em coletiva. O governador trabalha em conjunto com a prefeitura para concluir o projeto de concessão de Interlagos à empresas privadas. O projeto prevê a construção de shopping, hotel e áreas de lazer no autódromo. O projeto faz parte do plano de São Paulo para continuar recebendo o evento da principal categoria da Fórmula 1.

“Investir na Fórmula 1 é a intenção do Governo de São Paulo. É um evento que traz um retorno extraordinário em turismo, imagem, economia criativa não só para o estado, mas para todo o Brasil”, finalizou. Por essa razão, Doria admite que, caso seja necessário, o governo municipal e estadual farão o pagamento de uma taxa de realização da prova ao grupo Liberty – pelo contrato vigente, Interlagos está isenta de tal contrapartida financeira -, mas, segundo o governador, será um empenho compensado por recursos captados junto à iniciativa privada.

Publicidade