Caso Daniel: Edison Brittes terá de pagar pensão à filha do jogador

Justiça do Paraná determina que assassino confesso pague R$ 5.000 mensais até que a garota de dois anos complete 25. Cabe recurso

Por Gazeta Press - Atualizado em 22 out 2019, 13h31 - Publicado em 17 out 2019, 16h20

Edison Brittes Junior, assassino confesso do jogador Daniel Corrêa, terá de pagar pensão no valor de 5.000 reais mensais para a filha do jogador, determinou a juíza Márcia Hübler Mosko, da 3ª Vara de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. A decisão tem caráter liminar, e assim, ainda cabe recurso.

Segundo informações da emissora RPC, afiliada da Rede Globo no Paraná, o valor deve ser pago por Edson até que a garota, que hoje tem dois anos e sete meses, complete 25 anos de idade. A determinação vem após a mãe, Bruna Larissa Ferreira Martins, alegar que não tem condições de manter a criança.

A defesa de Edison Brittes, que está preso na Penitenciária Central do Estado (PCE), em Piraquara, afirmou, em nota, que ainda não foi informada da decisão judicial. A família de Daniel, por sua vez, preferiu não se manifestar sobre o assunto.

No próximo dia 24 de outubro, o assassinato de Daniel completa um ano. O jogador, com passagens por Botafogo e São Paulo, foi assassinado brutalmente depois de uma festa na casa da família Brittes, em São José dos Pinhais. Seu corpo foi encontrado em uma estrada próxima, com o órgão genital decepado. Edison Brittes alega que matou o jogador ao vê-lo tentando estuprar sua esposa, Cristiana Brittes. 

Publicidade

 

Publicidade