Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Caso Bruno: ‘Pai, o Boa contratou esse assassino?’

Secretário de esportes de Varginha confessa que pressão contra a contratação de Bruno começa dentro da própria casa

Henrique Lemes é ex-vereador por três mandatos e narrador de uma das principais rádios da região. Há pouco mais de dois meses, assumiu o comando da Secretaria Municipal de Esportes de Varginha, no sul de Minas Gerais. A prefeitura da qual faz parte é uma das principais parceiras do Boa Esporte Clube, pequena equipe que disputará a Série B do Campeonato Brasileiro e que ganhou mais espaço no noticiário na semana passada, ao anunciar a contratação do goleiro Bruno Fernandes, condenado pelo homicídio da ex-amante Eliza Samudio. Lemes não tem poder de romper a parceria, mas confessa que a pressão que se espalhou pelas redes sociais chegou até sua casa.

Pai de uma jovem de 23 anos (a vítima tinha 25 quando foi morta), ele conta como foi a reação dela. “Minha filha me ligou brava e disse: pai, o Boa contratou esse homem assassino? Esse sentimento tem dominado as conversas na cidade, na internet. É uma situação muito complicada”, afirma.

Henrique Lemes, secretário de Esportes de Varginha: “Só um torcedor fanático que enxerga apenas o campo e bola está a favor dessa contratação”

Henrique Lemes, secretário de Esportes de Varginha: “Só um torcedor fanático que enxerga apenas o campo e bola está a favor dessa contratação” (Leslie Leitão/VEJA)

O secretário evita dar uma opinião pessoal mais contundente. Mede as palavras e defende a prefeitura, alegando que ela “não tem ingerência na administração do futebol do clube”. Mas ao longo da conversa confessa: “Só um torcedor fanático que enxerga apenas o campo e bola está a favor dessa contratação”.

Uma lei municipal prevê a parceria do município com o clube – que pertence a um grupo de empresários que trouxe o time da cidade de Ituiutaba para Varginha em 2011. O clube manda os jogos no Estádio Municipal Prefeito Dilzon Melo, o Melão. Quase todos os funcionários que cuidam da manutenção são da prefeitura, e as contas de luz e água também são pagas com dinheiro público. Desse cofre também saem a manutenção do Centro de Treinamento e as despesas com hotel e uma casa para concentração e dormitório de jogadores e comissão técnica.

São cerca de 300 000 reais anuais, investimento considerado bom em virtude da propaganda que o clube vinha fazendo da cidade. “Agora de volta à Série B, com transmissão dos jogos, seria muito bom para a cidade. Essa história aí agora (contratação de Bruno) é que tumultuou tudo”, explica Henrique Lemes.

A pressão sofrida pelo secretário de esportes dentro da própria casa se espalhou pela cidade. O site de VEJA conversou com dezenas de habitantes. A maioria é contra, mas há quem se prenda ao argumento de que, se a Justiça soltou o goleiro, ele está livre para jogar. Nos bares e nas redes sociais, a discussão ainda vai dar muito pano para manga.

Rescisão

Em nota divulgada nesta segunda-feira, a prefeitura diz que a contratação de jogadores compete “única e exclusivamente” ao clube, mas que “está analisando todos os aspectos legais que envolvem a questão com o fim de verificar a possibilidade de rescindir, ou não, o convênio”. Leia a íntegra da nota:

A Prefeitura de Varginha vem a público esclarecer que existe um convênio firmado com o Boa Esporte, decorrente das Leis Municipais nºs 5.669/2013, 5.842/2014 e 6.170/2016, devidamente aprovadas pela Câmara de Vereadores, convênio que vem sendo renovado anualmente, por ser de interesse das partes, uma vez que o Boa Esporte encontrou nesta Cidade estrutura adequada para desenvolver suas atividades, apoio popular e trouxe às pessoas de Varginha e região, entretenimento, geração de empregos, renda, além de promover o nome da cidade de Varginha em nível nacional.

Esclarece, ainda, que nos termos do referido convênio, as decisões de ordem administrativa, financeira, operacional e de execução, inclusive as definições na contratação de jogadores, competem única e exclusivamente ao Clube.

Portanto, qualquer decisão no sentido de rescindir o referido convênio deverá, antes, ser precedida de análise jurídica criteriosa por parte do Município, necessária em razão da prudência que o caso requer e pelo fato que tal definição deve considerar eventuais prejuízos às partes, em especial aos empregados do Clube, tendo em vista que a equipe do Boa Esporte já assumiu compromissos com a contratação de funcionários, de vários jogadores, além de estar definida sua participação no Campeonato Brasileiro da Série B 2017 e Campeonato Mineiro Módulo II 2017.

Portanto, o Departamento Jurídico da Prefeitura está analisando todos os aspectos legais que envolvem a questão, com o fim de verificar a possibilidade de rescindir, ou não, o referido convênio.

Finalmente, como é de conhecimento público, embora o assunto seja polêmico, é importante registrar que a Prefeitura sempre agiu a agirá nos limites legais quando da tomada de qualquer decisão, registrando-se, também como é do conhecimento de todos, que o jogador Bruno Fernandes ainda aguarda julgamento definitivo pela Justiça, estando solto por decisão do Supremo Tribunal Federal.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. persianasflaci.blogspot.com

    Foi uma morte cruel premeditada , sem defesa pra vitima ,e o pior de tudo esse bruno nao esta arrependido de nada ,,

    Curtir

  2. O psique brasileiro é estranho. Num país onde se mata a tiros e facadas 60 mil todos anos pq pegaram o Bruno pra boi-de-piranha? E os 60 mil que mataram no ano passado? Como fica? E se Bruno tivesse abrido uma empresa em Varginha dando empregos a 2 mil pessoas..iriam critiIriaca lo assim? Seria inveja do sucesso do rapaz? Raiva de se verem num espelho do que somos na real?

    Curtir

  3. José Smigle

    Se há uma lei municipal é só fazer outra e cancelar o patrocínio. Absolutamente nada justifica privilegiar esse assassino, nem fazer corpo mole como pretendem os políticos da prefeitura.

    Curtir

  4. Alex Cardozo

    Uma “prefeitureca” dessas gastando 300.000 mil em futebol também é uma vergonha, dinheiro público investido em futebol não tem volta como benefícios para a população já para os políticos….

    Curtir