Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Cartunista australiano é criticado por charge de Serena Williams

Desenho foi considerado racista e sexista

Por AFP 11 set 2018, 10h24

O cartunista australiano Mark Knight recebeu várias críticas por uma charge da tenista Serena Williams. Ele foi acusado de racismo e sexismo. Na charge, publicada na segunda-feira pelo jornal Herald Sun, vê-se Williams com lábios muito volumosos e um aspecto masculinizado, pulando sobre sua raquete, em meio a um rompante em sua derrota na final do Aberto dos Estados Unidos no sábado.

Serena Williams foi derrotada na final pela japonesa Naomi Osaka e perdeu a chance de conquistar seu 24° título de Grand Slam. “Não pode, simplesmente, deixá-la ganhar?”, pergunta o árbitro a Osaka no desenho de Knight. O ataque de ira de Serena Williams contra o árbitro de cadeira na final do torneio americano deu a volta ao mundo. A tenista foi punida com uma multa de 17.000 dólares (69.700 reais). Ela denunciou o sexismo e os dois pesos e duas medidas no tratamento de homens e mulheres no tênis.

Conhecido por suas charges polêmicas, o cartunista Mark Knight foi amplamente criticado. “Parabéns por ter reduzido uma das maiores esportistas vivas a traços racistas e sexistas e por ter transformado outra grande esportista em um acessório sem rosto”, disse a escritora JK Rowling, autora da saga Harry Potter.

  • Knight respondeu que também fez uma charge pouco amável de um tenista australiano, Nick Kyrgios, “que se comportou mal”. “Não misturei gênero em nada disso, é uma questão de comportamento”, alegou Knight. Michael Miller, CEO da News Corp Australasia, editora do Herald Sun, defendeu o cartunista. “As críticas contra a charge mostram que o mundo se tornou demasiado politicamente correto e não compreende o papel das charges da imprensa e da sátira”, afirmou. “É preciso denunciar os maus comportamentos, qualquer que seja o esporte”, completou.

    O jornal The Washington Post considerou que o desenho é “racista”. “Knight desenha traços do rosto que refletem as charges desumanizantes tipo ‘Jim Crow’ (as leis que estabeleciam a segregação nos Estados Unidos), tão frequentes nos séculos XIX e XX”, afirmou o comentarista Michael Cavna.

    Continua após a publicidade
    Publicidade