Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Carmona pede desculpas após ser expulso da seleção chilena

Por Da Redação 19 nov 2011, 15h40

Santiago do Chile, 19 nov (EFE).- O meia chileno Carlos Carmona, um dos cinco expulsos da seleção por atos de indisciplina na semana passada, assumiu estar errado no episódio e apresentou neste sábado um pedido de desculpas.

Carmona é o segundo jogador envolvido no escândalo a se desculpar publicamente seguindo a exigência do técnico Claudio Borghi. O primeiro foi o meia Arturo Vidal, que atua na Juventus, da Itália.

Em carta enviada ao presidente da Associação Nacional de Futebol Profissional (ANFP), Sergio Jadue, e divulgada na madrugada de sexta para sábado, Carmona manifesta seu ‘mais sincero arrependimento, dor e amargura’ pelo ocorrido.

‘Estou consciente do grave erro cometido na terça-feira, dia 8 de novembro, e assumo total responsabilidade. Deixo claro que ninguém me obrigou a cometer esta indisciplina e saberei acatar a suspensão esportiva correspondente’, assinala o atacante.

Na carta, Carmona também ressalta o compromisso, a dedicação e a disciplina que mostrou ao longo de sua trajetória e se diz denegrido por este erro.

Vidal e Carmona, junto a Jorge Valdivia, do Palmeiras, Jean Beausejour e Gonzalo Jara, foram expulsos na semana passada da concentração do Chile, antes dos jogos das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2014 frente ao Uruguai e Paraguai.

O técnico do Chile, o argentino Claudio Borghi, explicou que tomou esta drástica decisão após comprovar que os cinco jogadores chegaram tarde e em estado de embriaguez à concentração da seleção, que se preparava para os jogos contra Uruguai e Paraguai, pelas Eliminatórias.

Continua após a publicidade

Um dia depois do escândalo, Vidal retornou em silêncio à Itália e, desde então, o jogador da Juventus mandou nesta quinta-feira uma carta assinada só por ele na qual reconhece que cometeu um erro e pede desculpas ao técnico.

No dia em que Vidal viajou para a Itália, os outros quatro envolvidos na polêmica concederam uma entrevista coletiva em Santiago, e leram uma carta, assinada pelos cinco, na qual acusavam o treinador de mentir.

Agora, nesta nova carta, Carmona pede desculpas a todas as pessoas que ofendeu com seu comportamento ‘e por ter contribuído para gerar um ambiente inadequado em uma data de Eliminatórias’.

Após a vitória do Chile diante do Paraguai por 2 a 0, na terça-feira passada, Borghi deixou entreaberta a porta da seleção para os cinco envolvidos, com a condição de que se desculpem publicamente.

Para isso, deverão cumprir a provável suspensão que o Tribunal de Disciplina vai impor.

Segundo informa neste sábado o jornal ‘La Tercera’, a ANFP apresentará na terça-feira a acusação formal contra os cinco jogadores por atraso e por chegar sob efeito do álcool à concentração.

De acordo com o Código de Procedimentos e Penalidades da ANFP, o tribunal tem um prazo de 15 dias para redigir a decisão e tornar pública a punição, que vai desde uma multa até 50 partidas sem jogar pela seleção. EFE

Continua após a publicidade

Publicidade