Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Caiu no Horto: Atlético empata com Nacional e é eliminado da Copa Libertadores

Estádio Independência não teve o peso que o torcedor imaginava e atual campeão continental levou o gol de empate nos últimos minutos do segundo tempo. Com a derrota atleticana, Cruzeiro é o único brasileiro no torneio

Só resta um brasileiro na Copa Libertadores. E não é o atual campeão. O Atlético Mineiro, que no ano passado provocou seus rivais com o cântico ‘Caiu no Horto, está morto’, numa referência à pressão do estádio Independência, provou da própria presunção na noite desta quinta-feira. Na partida da volta das oitavas de final, em Belo Horizonte, o time alvinegro não se beneficiou do “fator campo” e empatou em 1 a 1 com o Atlético Nacional, da Colômbia. Com o resultado, os campeões de 2013 estão fora da competição continental. No primeiro jogo, os colombianos venceram por 1 a 0.

A partida desta noite, no Independência, foi a primeira do trabalho de Levir Culpi como treinador do Atlético. Ele foi anunciado há uma semana, horas depois da demissão de Paulo Autuori. O treinador havia estreado no fim de semana, mas ele mesmo admitiu que foi mero espectador no banco de reservas diante do Grêmio, pelo campeonato brasileiro.

Nesta quinta, o novo treinador tentou fazer o Atlético mostrar o bom futebol do ano passado, mas o time não converteu sua maior posse de bola em chances de gol. Victor chegou a salvar a equipe uma vez, mas acabou não impedindo o gol irregular que levou o Atlético Nacional ao empate, aos 43 minutos do segundo tempo.

Na próxima fase, os colombianos pegam o Defensor, do Uruguai. O Cruzeiro enfrenta o San Lorenzo, da Argentina, que eliminou o Grêmio na quarta-feira à noite, nos pênaltis. O Atlético pensa no Brasileirão. No domingo, pega o Goiás.

Leia mais:

Cruzeiro derrota Cerro por 2 a 0 e avança para as quartas

Líder da fase de grupos, Vélez é eliminado da Libertadores

O JOGO – Desde que a bola começou a rolar o time da casa mostrou que disposição não faltaria. A isso se somava uma postura tática mais próxima àquela que foi campeã ano passado, com bola no chão e correria pelas pontas. E foi assim que nasceu a jogada do gol.

Aos 19 minutos, Jô saiu da área e fez a jogada pela direita, cruzando rasteiro para Tardelli. O atacante dividiu no primeiro pau e mandou na trave. A zaga colombiana tirou mal, de qualquer jeito, e deu para Fernandinho. O ex-são-paulino abriu espaço na entrada da área e bateu no canto esquerdo, longe do alcance de Armani.

O gol assustou o Atlético Nacional, que parecia presa fácil. Aos 33, porém, o time colombiano achou uma ótima chance para empatar. Ninguém marcou Valencia, que recebeu livre no meio da área. O centroavante, porém, pegou de primeira, mesma a bola vindo alta, e acabou chutando para longe.

De qualquer forma, foi o time mineiro que mandou no primeiro tempo e, apesar do placar magro, foi para o vestiário aplaudido por seus torcedores. Na volta para o segundo tempo o ritmo foi praticamente o mesmo, mas novamente as chances eram raras. De destaque, um chute cruzado de Jô, para fora, aos 24.

Levir Culpi resolveu mexer e colocou em campo Guilherme (no lugar do cansado Tardelli) e Rever (na vaga de Pierre). No lance seguinte, aos 28, Sherman recebeu no meio da zaga, saiu na cara de Victor e bateu bem. O goleiro, porém, fez a defesa que, até aquele momento, garantia o Atlético vivo.

Dali até a eliminação, só mais um lance de perigo, com Jô, de cabeça. Os pênaltis, porém, não agradavam ao Atlético Mineiro, que se abriu. E levou o gol num contra-ataque. Cardrona cruzou de trivela, da esquerda, Victor tentou sair de tapa, mas a bola sobrou para Duque, que fez de carrinho, impedido.

(Com Estadão Conteúdo)