Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Bruno Fratus conquista a medalha de bronze nos 50 metros livre

Aos 32 anos, nadador brasileiro superou frustrações de 2012 e 2016 e chegou ao pódio; ouro ficou com americano Caeleb Dressel com recorde olímpico

Por Luiz Felipe Castro Atualizado em 31 jul 2021, 23h34 - Publicado em 31 jul 2021, 22h34

Bruno Fratus chegou lá. O pódio que lhe escapou por pouco nos Jogos de Londres-2012 e Rio-2016, veio na noite deste sábado, 31, no Centro Aquático de Tóquio, com a conquista da medalha de bronze dos 50 metros nado livre, a mais rápida da natação, nos Jogos de Tóquio 2020. O atleta de 32 anos cravou o tempo de 21s57. A medalha de ouro foi para o americano Caeleb Dressel, com o recorde olímpico de 21s07. O francês Florent Manadou levou a prata, com 21s55.

Fratus chegou motivado por um ciclo olímpico de respeito (levou a prata nos Mundiais de Budapeste-2017 e Gwangju-2019), mas pressionado pelas frustrações na sua prova favorita em outras edições: foi quarto colocado em 2012 e sexto em 2016. Desta vez, porém, ele conseguiu se consolidar como uma dos nadadores mais rápidos do planeta.

  • “Estava entalado desde 2011, meu primeiro mundial, depois 2012. Olimpíada do quase. Depois do Rio, principalmente. Foi um grito de finalmente. Finalmente sou medalhista olímpico. Realizei meu sonho de 11 anos de idade. Não teria sido sem o suporte, amor e amizade de torcida de todo mundo está até agora do meu lado, que não abriu. Não teria sido sem a palavra de quem duvidou, também. Essa é para vocês”, desabafou o medalhista à Rede Globo.

    “Os caras são grandes, mas nós é ruim” [sic]. Aqui é Brasil”, brincou o atleta de 1.87 m sobre a concorrência com Dressel (1.91 m) e Manadou (1.99 m). “Se é para deixar uma mensagem: temos o melhor país do mundo, somos o melhor povo. Eu moro nos Estados Unidos. Pagam pau para nós. Somos muito capazes. Permitam-se ser o povo e o país que podemos construir. Estamos entre os melhores do mundo”, completou. 

    Ao Comitê Olímpico do Brasil (COB), Fratus falou sobre a preparação para os Jogos, que incluiu um período de isolamento total da internet. “Um dos motivos pelo qual saí de rede social aqui é porque precisava estar isolado no meu mundo. Quando a competição vai chegando eu vou afunilando e tirando cada vez mais coisas que não importam muito e priorizando o que é importante. (…) Vocês sabem que eu tenho uma cobrança muito grande em cima de mim, então às vezes meu trabalho de psicologia é botar o pé no freio, relaxar, não me cobrar tanto”, contou Fratus, que celebrou a conquista junto da esposa de Michelle Lenhardt, sua esposa e treinadora.

    Por fim, Fratus fez uma série de agradecimentos especiais. “Quero agradecer muita gente do COB, da CBDA e do Minas Tênis Clube e publicamente eu queria agradecer dois caras. Um é o Cesar Cielo, que mostrou que era possível há uns anos atrás. No começo da minha carreira se eu não tivesse tido a oportunidade de competir ao lado de quem eu acredito ser o melhor velocista da história eu não teria chegado aqui hoje. E agradecer ao Fernando Scheffer, que mostrou essa semana que era possível. Eu disse uma vez que não tenho ídolo, mas vou usar essa palavra, meu ídolo, que eu cresci vendo, Fernando Scherer, que mostrou que era possível anos atrás. Michelle, minha esposa, que me falou antes de para a prova fez toda diferença, Brett Hawke, meu melhor amigo, meu técnico, que estava mais ansioso do que eu”.

    Esta foi a segunda medalha da natação brasileira em Tóquio depois do bronze de Fernando Scheffer nos 200 metros livre, um resultado considerado satisfatório. Em 2016, o Brasil não conquistou nenhum pódio nas piscinas, apenas na maratona aquática, o bronze de Poliana Okimoto.

    Dressel, por sua vez, conquistou sua quarta medalha de ouro nesta edição, depois do 4×100 e dos 100 metros livre e 100 metros borboleta. O americano, porém, não conseguiu superar o recorde mundial do brasileiro Cesar Cielo nos 50 livre, de 20s91, estabelecido em 2009.

    Continua após a publicidade
    Publicidade