Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Breno é libertado sob fiança e com controle judicial

Por Christof Stache - 6 out 2011, 14h11

O zagueiro brasileiro do Bayern de Monique Breno, suspeito de ter provocado voluntariamente o incêndio que destruiu sua casa no fim de setembro, foi libertado sob fiança e com um controle judicial rigoroso, anunciou nesta quinta-feira o clube da Bundesliga de futebol.

“Estamos muito felizes de que Breno tenha sido libertado de sua prisão provisória e que possa se encontrar com sua família e se unir ao Bayern de Munique. Valorizamos o trabalho do tribunal e de (seu advogado Werner) Leitner, que trataram este caso de maneira justa”, declarou o presidente do clube, Karl-Heinz Rummenigge.

Breno foi detido provisoriamente no dia 24 de setembro, após o incêndio que destruiu sua casa na madrugada de 20 de setembro, depois de se considerar que existia um risco de fuga para o Brasil, segundo a promotoria.

Foram impostas medidas judiciais muito rigorosas, que a promotoria não quis detalhar, embora a princípio estivesse incluída a proibição de abandonar a Alemanha. A quantia da fiança paga não foi revelada.

Publicidade

Vinicius Rodrigues Borges, conhecido como Breno, de 21 anos, estava sozinho em casa no momento do incidente, que provocou estragos que superavam um milhão de euros.

Breno, que foi convocado neste ano pela primeira vez pela seleção brasileira, ficou ligeiramente intoxicado pela fumaça, mas não sofreu danos físicos. Sua mulher, seu filho e outras duas crianças fruto de um primeiro casamento de sua esposa não se encontravam com o jogador na noite do incêndio.

A imprensa havia revelado que Breno consultou um médico, a pedido do clube, em uma clínica psiquiátrica, um dia antes de sua prisão.

Breno sofre com problemas crônicos em um joelho e ainda não jogou nesta temporada. Nestes três anos, participou de apenas 21 partidas da Bundesliga.

Publicidade