Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasileiros exaltam retorno de Phelps, mas não se intimidam

César Cielo, Bruno Fratus e Thiago Pereira esperam reencontrar o mito

O retorno do americano Michael Phelps às piscinas – marcado para esta quinta-feira no Grand Prix de Mesa, nos Estados Unidos – está no radar dos nadadores brasileiros. Durante a disputa do Troféu Maria Lenk, em São Paulo, César Cielo, Bruno Fratus e Thiago Pereira comentaram com entusiasmo a volta de Phelps ao esporte, mas afirmaram não temer o maior campeão olímpico de todos os tempos. Logo após fazer o melhor tempo dos 50 m livre no ano, Cielo abriu um sorriso ao cogitar um duelo nas Olimpíadas do Rio de Janeiro em 2016. “Já nadei algumas vezes contra o Phelps,é um cara que te leva para outro estágio. Quando ele está no bloco, a prova tem que ser um pouco mais séria. É um cara que faz a gente nadar um pouco melhor. Com ele, perfeição já não é o bastante. Quero ter a chance de competir mais alguma vez contra ele”.

Leia também:

Michael Phelps desiste da aposentadoria

Thiago Pereira ganha ouro e se garante no Pan-Pacífico

Rio-2016: Etiene Medeiros sonha com medalha na natação

César Cielo e húngara são atrações do Troféu Maria Lenk

Já Bruno Fratus confidenciou ter participado de um dos últimos momentos de Phelps no esporte, nas Olimpíadas de 2012. “Calhei de fazer um antidoping com ele no último dia em Londres e fiz questão de apertar a mão dele e falar: ‘Obrigado por tudo que você fez pelo nosso esporte’. Estou muito feliz que ele voltou”. Feliz também com seu desempenho nas piscinas do Ibirapuera, onde fez o segundo melhor tempo do mundo nos 50 metros livre este ano, Bruno Fratus disse não se intimidar diante de um hipotético duelo contra Phelps. “Acho que ele pode dar resultados muito expressivos nos 100 metros livre e boa sorte se ele quiser nadar os 50 metros”, brincou o brasileiro, lembrando que Phelps não é exatamente um velocista.

Thiago Pereira, que provavelmente nadará contra Phelps – um velho conhecido seu dos 200 m e 400 m medley – falou da influência que o americano teve em seu crescimento profissional. “Ele foi único que esteve presente em todos os momentos da minha carreira até hoje. Tenho certeza de que muito da evolução que eu tive foi por causa dele. Essa evolução do medley no cenário mundial, ele que provocou isso. Ele foi o primeiro atleta que quebrou essa coisa de uma ou duas provas, mostrou que é possível nadar várias”, ressaltou o brasileiro.

O retorno do campeão – Quase dois anos após o anúncio de sua aposentadoria, em Londres, Michael Phelps disse estar ansioso por seu retorno às piscinas nesta quinta-feira, no Grand Prix de Mesa. “Eu não sei o que me fez fazer isso, mas estou me divertindo. Estou fazendo isso porque eu quero. Ninguém está me forçando nada”, revelou.

Phelps, contudo, afirmou não criar grandes expectativas sobre si mesmo. “Se eu não fizer tanto sucesso como vocês [jornalistas] acham que eu deveria, e se ‘manchar’ minha carreira, essa é a opinião de vocês. Eu estou fazendo isso porque eu quero voltar, porque eu gosto de estar na piscina e gosto de estar competindo”. Prestes a completar 29 anos, o nadador diz ainda não pensar na disputa dos Jogos Olímpicos do Rio. Em Mesa, o dono de 22 medalhas olímpicas irá disputar apenas os 100 m borboleta e, talvez, os 100 m livre, dependendo de seu desempenho na primeira prova.

(Com agência Estadão Conteúdo)