Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasileiro ri, minimiza quimono borrado e mira medalha olímpica em 2012

Com um quimono emprestado pela compatriota Sarah Menezes, Felipe Kitadai venceu o mexicano Nabor Castillo na final da categoria até 60kg dos Jogos Pan-americanos de Guadalajara, neste sábado. Tímido, o judoca minimizou o ‘acidente’ da semifinal e já começou a pensar nas Olimpíadas de Londres-2012.

‘Isso não é muito importante (risos). Não foi nada irremediável’, disse o brasileiro, encabulado, quando questionado sobre a insólita semifinal diante do norte-americano Aaron Kunihiro. Com um descontrole intestinal, ele acabou a luta diante do adversário dos Estados com as calças do quimono borradas.

Após o episódio constrangedor, Kitadai se redimiu com um ippon na final diante de Castillo, apoiado intensamente pela torcida mexicana. A vitória foi histórica na medida em que proporcionou o sexto ouro do judô brasileiro em Guadalajara, um recorde do País na história dos Pan-americanos.

‘É uma emoção muito grande. Os Jogos Pan-americanos são enormes, uma coisa que assisto desde pequeno na televisão e sempre sonhei com isso. O ouro é uma conquista muito grande, um presente para o Brasil e para os meus pais, uma recompensa para todos que me ajudaram nessa batalha’, afirmou o atleta.O judoca da Sogipa pretende conversar com seus treinadores para definir os próximos passos na temporada de 2012. Logo depois da luta, no entanto, embalado pela conquista da medalha de ouro, ele já manifestou o desejo de repetir o sucesso na disputa dos Jogos Olímpicos de Londres.

‘Se você trabalha, busca todo dia e continua caindo, não é uma coisa que anime muito. Quando você acerta, o caminho é muito duro, mas no final recompensa. Eu vou me esfolar muito mais para conseguir uma coisa maior. Se Deus quiser, em 2012 vou estar em Londres para conseguir mais uma medalha para a gente’, afirmou.

Antes da medalha deste sábado, o melhor desempenho do Brasil no judô foi pan-americano havia sido registrado em Indianápolis-1987 e Santo Domingo-2003, quando o País faturou cinco títulos. No México, além de Kitadai, Leandro Cunha, Bruno Mendonça, Leandro Guilheiro, Tiago Camilo e Luciano Corrêa também triunfaram.