Clique e assine a partir de 9,90/mês

Brasileiro e argentino fazem o 2º jogo mais longo da história do tênis

Feijão lutou muito, mas saiu derrotado por 3 sets a 2 em confronto épico contra Leonardo Mayer pela Copa Davis

Por Da Redação - 9 mar 2015, 07h00

Em uma partida épica neste domingo, o tenista brasileiro João Souza, o Feijão, lutou muito, mas não conseguiu superar o argentino Leonardo Mayer em Buenos Aires. O jogo, válido pela Grupo Mundial da Copa Davis, durou 6 horas e 42 minutos e terminou com a vitória argentina por 3 sets a 2, com parciais de 7/6, 7/6, 5/7, 5/7 e 15/13. Foi a segunda partida de simples mais longa da história do tênis – ficando atrás apenas da maratona de 11 horas entre John Isner e Nicholas Mahut pela edição 2010 de Wimbledon.

Leia também: Brasil larga na frente contra a Argentina na Davis

O triunfo de Mayer deixou o confronto Brasil-Argentina empatado em 2 a 2. A partida decisiva será entre Thomaz Bellucci e Federico Delbonis. Esse jogo começou a ser disputado no domingo, mas foi interrompido por falta de luz natural quando o argentino vencia por 1 set a 0. Caso Belluci consiga reverter o placar, o Brasil voltará a disputar as quartas de final do Grupo Mundial da Davis depois de 14 anos.

O jogo – A batalha entre Feijão e Mayer foi equilibrada desde o início, com trocas de bola firmes, slices, deixadas e todo o repertório que um bom jogo de tênis pode oferecer. Experiente, o argentino número 23 do mundo foi mais eficaz nos dois primeiros sets e abriu vantagem de 2 a 0 – mesmo com o brasileiro fazendo um bom jogo.

Quando a torcida da casa mais pressionava, Feijão se recuperou. Sacando bem e definindo os seus pontos, o brasileiro foi buscar o empate. No set decisivo, os dois tenistas deram um espetáculo de raça e resistência. Lutando contra a exaustão, nenhum deles desistia. Feijão salvou dez match points do adversário, antes de finalmente sucumbir em um 15/13. Com a confirmação da vitória, Mayer se jogou no chão. Ao final, os dois se abraçaram e foram aplaudidos de pé pelos torcedores.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade