Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil x Argentina: por que ver o clássico, agora centenário

Partida da manhã de sábado, em Pequim, terá rivais em momentos opostos, um duelo entre amigos, técnicos com muito a provar e a possível volta de um ídolo

Brasil e Argentina disputam neste sábado, no Estádio Ninho de Pássaro, em Pequim, mais uma edição do Superclássico das Américas. Quem ouviu o técnico Dunga falar sobre o jogo nesta sexta-feira pode até pensar duas vezes em acordar no fim de semana para assistir à partida, marcada para as 9 horas (de Brasília) – ele reclamou do fato de o jogo acontecer na China, lamentou as condições irregulares do gramado e criticou o jet lag, o cansaço pela longa viagem e até a poluição da cidade. Apesar da notória chatice do treinador da seleção, o duelo na China terá uma série de atrativos. Além da presença de dois dos maiores craques da atualidade, Neymar e Messi, o jogo terá relevância histórica: há duas semanas, a maior rivalidade do futebol sul-americano completou cem anos. Ao contrário do que aconteceu nas duas últimas edições, vencidas pelo Brasil, este Superclássico terá todas as principais estrelas em ação (em 2011 e 2012, apenas atletas que atuavam nos dois países podiam ser convocados) e o título simbólico será decidido em jogo único. Os eternos rivais chegam para o jogo deste sábado em condições totalmente distintas depois da Copa do Mundo. Apontado como favorito ao hexa, o anfitrião Brasil amargou o maior vexame de sua história e agora, contra outro adversário de peso, tenta amenizar o trauma causado pela derrota para a Alemanha. Por outro lado, a Argentina desfruta de um ambiente de paz depois do segundo lugar no Mundial. Apesar da frustração por não ter conquistado o tricampeonato em solo inimigo, a equipe reconquistou a confiança e o carinho dos torcedores e voltou a ser encarada como uma seleção a ser temida.

Leia também:

No auge da parceria, ‘freguês’ Neymar tenta superar Messi

Seleção faz treinos intensos. Na Argentina, Messi preocupa

Técnico argentino promete equipe ofensiva contra o Brasil