Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Brasil vai se despedir com Maxwell, Willian, Ramires e Jô

Felipão faz cinco trocas na equipe que foi goleada pela Alemanha. Lateral, meia e centroavante estreiam como titulares na Copa contra a Holanda, pelo 3º lugar

Por Giancarlo Lepiani, com fotos de Ivan Pacheco, de Brasília - 12 jul 2014, 15h53

Wesley Sneijder, carrasco do Brasil na eliminação da última Copa, estava escalado, mas sentiu dores no aquecimento e deu lugar a De Guzman

A seleção brasileira vai se despedir da Copa do Mundo com cinco novidades na equipe titular, na decisão do terceiro lugar, neste sábado, em Brasília, contra a Holanda. Na lateral esquerda, Marcelo dá lugar a Maxwell, que faz sua estreia na competição para tentar marcar o craque Robben. No meio, Ramires reforça a marcação, formando um trio de volantes com Luiz Gustavo e Paulinho (que volta ao time na vaga de Fernandinho). O atleta do Chelsea, porém, deverá ter mais liberdade para ajudar a armar o jogo, com Paulinho num papel mais cauteloso e Luiz Gustavo em sua função tradicional, na proteção aos zagueiros. No trio ofensivo, Oscar ganha a companhia de Willian – que ocupa a vaga que foi de Bernard contra a Alemanha – e Jô, que entra no lugar do tão criticado Fred.

A equipe também conta com o retorno do capitão Thiago Silva. O técnico Luiz Felipe Scolari, que pode fazer sua despedida do cargo, escala o seguinte time: Júlio César; Maicon, Thiago Silva David Luiz e Maxwell; Luiz Gustavo, Paulinho e Ramires; Oscar, Willian e Jô. O craque Neymar, que assistiu à queda brasileira na semi de longe, em sua casa no Guarujá, acompanha a delegação no Estádio Mané Garrincha neste sábado. Pelo lado holandês, Louis Van Gaal dá adeus à seleção (já a partir deste mês, ele passa a treinar o Manchester United, da Inglaterra) mandando a campo a seguinte formação, no 3-5-2: Cillessen; Vlaar; De Vrij e Martins Indi; Kuyt, De Jong, Wijnaldum, De Guzman e Blind; Robben e Van Persie. Wesley Sneijder, carrasco do Brasil na eliminação da última Copa, estava escalado, mas sentiu dores no aquecimento e deu lugar a De Guzman.

Leia também:

Publicidade

Entre o deboche e o desânimo, torcida espera fim honroso

Entre técnicos das semis, Felipão é o mais próximo de ficar

Ainda abalada, a seleção volta a campo em busca da honra ​

Na despedida, a chance de acertar as contas com a Holanda

Publicidade

No mapa alemão até o Rio, pistas para reconstruir o Brasil

Publicidade