Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Brasil vai se despedir com Maxwell, Willian, Ramires e Jô

Felipão faz cinco trocas na equipe que foi goleada pela Alemanha. Lateral, meia e centroavante estreiam como titulares na Copa contra a Holanda, pelo 3º lugar

Por Giancarlo Lepiani, com fotos de Ivan Pacheco, de Brasília 12 jul 2014, 15h53

Wesley Sneijder, carrasco do Brasil na eliminação da última Copa, estava escalado, mas sentiu dores no aquecimento e deu lugar a De Guzman

A seleção brasileira vai se despedir da Copa do Mundo com cinco novidades na equipe titular, na decisão do terceiro lugar, neste sábado, em Brasília, contra a Holanda. Na lateral esquerda, Marcelo dá lugar a Maxwell, que faz sua estreia na competição para tentar marcar o craque Robben. No meio, Ramires reforça a marcação, formando um trio de volantes com Luiz Gustavo e Paulinho (que volta ao time na vaga de Fernandinho). O atleta do Chelsea, porém, deverá ter mais liberdade para ajudar a armar o jogo, com Paulinho num papel mais cauteloso e Luiz Gustavo em sua função tradicional, na proteção aos zagueiros. No trio ofensivo, Oscar ganha a companhia de Willian – que ocupa a vaga que foi de Bernard contra a Alemanha – e Jô, que entra no lugar do tão criticado Fred.

A equipe também conta com o retorno do capitão Thiago Silva. O técnico Luiz Felipe Scolari, que pode fazer sua despedida do cargo, escala o seguinte time: Júlio César; Maicon, Thiago Silva David Luiz e Maxwell; Luiz Gustavo, Paulinho e Ramires; Oscar, Willian e Jô. O craque Neymar, que assistiu à queda brasileira na semi de longe, em sua casa no Guarujá, acompanha a delegação no Estádio Mané Garrincha neste sábado. Pelo lado holandês, Louis Van Gaal dá adeus à seleção (já a partir deste mês, ele passa a treinar o Manchester United, da Inglaterra) mandando a campo a seguinte formação, no 3-5-2: Cillessen; Vlaar; De Vrij e Martins Indi; Kuyt, De Jong, Wijnaldum, De Guzman e Blind; Robben e Van Persie. Wesley Sneijder, carrasco do Brasil na eliminação da última Copa, estava escalado, mas sentiu dores no aquecimento e deu lugar a De Guzman.

Leia também:

Entre o deboche e o desânimo, torcida espera fim honroso

Entre técnicos das semis, Felipão é o mais próximo de ficar

Ainda abalada, a seleção volta a campo em busca da honra ​

Na despedida, a chance de acertar as contas com a Holanda

No mapa alemão até o Rio, pistas para reconstruir o Brasil

Continua após a publicidade
Publicidade