Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil reclama da caçada a Neymar – e teme até perdê-lo

Felipão afirma que o craque jogou 80 minutos com fortes dores: 'A coxa dele está com um inchaço enorme'. O técnico revela preocupação para as quartas

“Neymar tem 22 anos, mas é experiente como se tivesse 35. É um jogador maduro, pronto”, disse Felipão, impressionado com a calma do craque ao bater o último pênalti da série decisiva

A comissão técnica da seleção brasileira avisa que há uma explicação muito simples para a atuação irregular de Neymar neste sábado, contra o Chile, em Belo Horizonte: o craque jogou quase a partida inteira sentindo fortes dores, que resultaram de uma entrada violenta logo no início da partida. “Foi na primeira jogada dele, aos cinco ou dez minutos, quando o adversário bateu pesado”, disse o técnico Luiz Felipe Scolari. Na verdade, o lance ocorreu ainda antes, aos 3 minutos, e o autor da falta, que provocou uma lesão na coxa de Neymar, foi Aránguiz. “Não conseguimos entender como alguém que bate daquela forma não leva cartão”, reclamou o treinador. “A coxa do Neymar está deste tamanho.” Felipão chegou a colocar em dúvida a participação de seu camisa 10 na partida das quartas de final, contra a Colômbia, em Fortaleza, marcada para sexta-feira. “Teremos três ou quatro dias para tentar tratar dele, reduzir esse inchaço e ver se conseguimos colocá-lo no próximo jogo”, explicou Felipão, que deu folga aos jogadores até a noite de domingo (e pediu aos jornalistas que deixem seus atletas em paz nesse dia livre).

Leia também:

Brasil sofre e flerta com tragédia, mas avança nos pênaltis

Felipão perde a paciência e ameaçar voltar ‘ao velho estilo’

‘Não me conformo de ter saído assim’, diz técnico do Chile

Júlio César: ‘Minha história na seleção ainda não acabou’

Brasileiros abafam chilenos e recebem equipe com euforia

Mesmo sem ter repetido as atuações inspiradas da primeira fase, quando foi decisivo para o Brasil, o jovem craque segue em alta com o técnico depois da batalha deste sábado. “Neymar tem 22 anos, mas é experiente como se tivesse 35. É um jogador maduro, pronto. Ele lida com muita naturalidade com a falta de experiência que resulta de sua pouca idade”, avalia Felipão, que destaca a força mental do atleta para absorver a pressão e não se intimidar. “A trajetória de vida dele mostra que estava pronto desde os 17 anos. Ele é simples: gosta de jogar futebol, e é isso que ele quer fazer. Foi bater o último pênalti como se estivesse disputando uma pelada em Santos. Ele esquece se está batendo pênalti na Copa do Mundo ou na brincadeira com os amigos na praia.” Neymar recebeu cinco faltas na partida deste sábado. Tanto não se intimidou com o jogo de forte contato do Chile que ele próprio cometeu quatro infrações. O craque ainda recuperou onze bolas para o Brasil, mostrando que sua importância não se restringe ao ataque – e revelando o quanto sua ausência pode pesar no encontro com os colombianos.