Clique e assine a partir de 8,90/mês

Brasil, melhor marcador; França e Holanda, melhor técnica

Por Da Redação - 16 jun 2014, 13h06

Nos quatro primeiros dias de competição, a Copa do Mundo de 2014 teve 37 gols em onze partidas, uma ótima média de 3,3 por jogo. Quem mais contribuiu para esse número foi a Holanda, que aplicou cinco na campeã mundial Espanha. Outras seleções, porém, também se destacaram nas estatísticas. Os números dos jogos dentro do banco de dados da Opta, líder mundial no registro detalhado dos grandes jogos do futebol internacional, mostram que �a campeã da posse de bola na estreia não foi a Espanha, famosa por seu tiki-taka, mas sim a França, que controlou o jogo em 70% da partida contra Honduras (o Chile teve 64% e os espanhóis, 63% em suas respectivas partidas). Os franceses também trocaram mais passes (656) que chilenos (628) e espanhóis (619), e foram os mais precisos nesse fundamento, com índice de acerto de 91%. �As seleções que mais chutaram a gol foram Costa do Marfim (21 vezes) e França (20 vezes), logo à frente de uma equipe que saiu derrotada mesmo tendo arriscado mais: no sábado, os ingleses perderam para os italianos chutando dezoito vezes a gol e sofrendo apenas treze arremates. A campeã da precisão, porém, foi a Holanda, com nada menos de 76% de acerto nos chutes (o Brasil, que chutou as mesmas 14 vezes que os holandeses, teve 60% de acerto). A seleção brasileira, que traz em sua história uma tradição de jogadores técnicos e habilidosos, até agora é a campeã do empenho e da garra: conseguiu vencer 59% das disputas de bola, à frente da Inglaterra (55%) e da Argentina (54%). Ainda que a Holanda seja o time que melhor desarmou os adversários, com 27 roubadas de bola, a seleção de Luiz Felipe Scolari aparece como a marcadora mais leal, pois além de vencer mais divididas, foi a menos faltosa até agora, ao lado da Espanha, com só cinco infrações no primeiro jogo. Croácia e Uruguai foram os mais violentos: 20 faltas cada.

(Giancarlo Lepiani, de Fortaleza)

Leia também:

Europeus driblam calor, mas criticam os ‘absurdos’ da Fifa

Tecnologia entrou em campo, mas pode ajudar muito mais

Continua após a publicidade
Publicidade