Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Brasil maltrata atletas, mas tentará receber Copa feminina

O ministro do Esporte promete candidatura a sede do Mundial de 2019 na Fifa. Para aumentar as chances, ele anunciou a volta do Brasileirão das mulheres

Por Da Redação 17 set 2013, 10h03

Depois de receber a Copa do Mundo no ano que vem, o Brasil poderá abrigar mais um Mundial da Fifa – o de futebol feminino, em 2019. O plano foi revelado na segunda-feira pelo ministro do Esporte, Aldo Rebelo, que aproveitou para anunciar a volta do Campeonato Brasileiro feminino. A medida seria uma maneira de se antecipar às críticas ao país pelo péssimo tratamento dispensado às atletas locais. Apesar da popularidade crescente em diversas nações, principalmente na Ásia e na Europa, o futebol feminino ainda é muito maltratado no Brasil, onde os investimentos em equipes de mulheres costumam ter vida bastante curta e a rotina das jogadoras é marcada pela instabilidade e pela falta de alternativas profissionais. Mesmo diante desse cenário negativo – e da forte concorrência para receber a competição, que tem crescido bastante -, o governo insistirá em brigar para ter uma Copa feminina, ainda que ela não venha em 2019.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Aldo Rebelo afirmou que já tratou do assunto com o presidente da Fifa, Joseph Blatter, e manifestou o interesse brasileiro. O ministro reconhece que a candidatura a sede do Mundial de 2019 pode ser retirada caso que exista uma disputa muito forte ou se houver consenso em torno de outro país. Se isso ocorrer, o Brasil deve tentar receber a Copa de 2023. “Temos de observar qual é a janela de calendário que ainda está aberta”, disse Aldo. No fim do ano passado, Blatter manifestou seu apoio à realização do Mundial de 2019 no Japão, país que venceu a última Copa de futebol feminino, realizada na Alemanha, em 2011. A sede do torneio em 2015 será o Canadá. A atacante Cristiane participou da entrevista coletiva de Aldo Rebelo e disse estar ansiosa pela realização de uma Copa no Brasil – algo que, de acordo com ela, seria fundamental para dar fôlego à modalidade. O Campeonato Brasileiro de futebol feminino não acontece desde 2001. De acordo com o ministro, a nova versão do torneio terá vinte equipes de treze estados diferentes.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade