Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil enfrentará técnico invicto em Copas

Argentino José Pekerman soma sete vitórias e dois empates em dois Mundiais disputados; em 2006, ele era técnico da seleção argentina

Consciente do bom futebol da Colômbia, a seleção brasileira precisará cuidar-se também com o responsável pela equipe que enfrentará às 17 horas desta sexta-feira em Fortaleza. Com nove jogos no currículo – sete vitórias e dois empates -, o técnico argentino José Pekerman encontrará o Brasil na condição de jamais ter perdido um jogo em Copas.

Leia também:

Siga no Instagram: uma seleção de fotos exclusivas em @vejanoinsta

Reservas treinam e Paulinho se destaca em jogo-treino

Victor deu mesmo terço da Libertadores a Julio Cesar

Pekerman era o técnico da Argentina no Mundial de 2006. Com Messi, Crespo, Sorín e Tévez, a seleção foi eliminada nos pênaltis pela Alemanha nas quartas de final – fase na qual encontra agora o Brasil. Naquela Copa, Pekerman somou três vitórias (sobre Costa do Marfim, Sérvia e Montenegro e México) e dois empates (Holanda e Alemanha).

A atual campanha colombiana é melhor que a da Argentina oito anos atrás. São quatro vitórias em quatro jogos, com 11 gols marcados e apenas dois sofridos.

Se Pekerman tem números impressionantes, Luiz Felipe Scolari não fica atrás. Em 2002, na campanha que levou o Brasil ao penta, somou vete vitórias em sete jogos. Na atual Copa são duas vitórias e dois empates, e suas únicas derrotas em Copas ocorreram em 2006, quando dirigia a seleção de Portugal que terminou o Mundial em quarto lugar. Perdeu a semifinal para a França e a disputa pelo terceiro lugar para a Alemanha.

Mesma idade – Pekerman e Scolari têm 65 anos. Scolari nasceu em novembro; o técnico da Colômbia, em setembro. Pekerman ficou famoso pelo trabalho que fez nas categorias de base da seleção de seu país, quando conquistou o título mundial Sub-20 em 1995, 1997 e 2001. Sua relação com a Colômbia é antiga. Ele defendeu o Independiente Medellín quando era jogador na década de 70. Atuava como volante.

Sua contratação, em 2011, reverteu a tendência colombiana de optar sempre por técnicos nacionais. Antes de Pekerman, o último estrangeiro a dirigir a Colômbia foi Carlos Bilardo, entre janeiro de 1980 e setembro de 1981.

Pekerman precisou vencer forte resistência inicial. “Sempre deixei claro, não estou de acordo com técnicos estrangeiros na seleção colombiana”, disse o ex-jogador Aristizábal, quando o treinador foi anunciado.