Clique e assine a partir de 9,90/mês

Brasil enfrenta a Rússia e Kaká ganha última chance

Equipe ainda não venceu na volta de Felipão: tem um empate e uma derrota

Por Da Redação - 25 Mar 2013, 09h54

O jogo contra a Rússia, nesta segunda-feira, no estádio Stamford Bridge, em Londres, seria apenas mais um amistoso para a seleção brasileira, mas a equipe precisa vencer para mostrar que o trabalho de Luiz Felipe Scolari está no caminho certo, adquirir confiança e conquistar a torcida. Para Kaká é a oportunidade de provar que pode fazer parte do grupo da Copa das Confederações, que começa em 15 de junho. A partida desta segunda-feira será às 16h30.

Leia também:

Pedido de Pelé por base corintiana na seleção irrita Felipão

Dirigente diz que pagou lobista para ter jogador na seleção

Continua após a publicidade

“A pressão por vitória, para mim, é zero”, disse neste domingo Luiz Felipe Scolari, que tem uma derrota (2 a 1 para a Inglaterra) e um empate (2 a 2 com a Itália) neste início de trabalho. “Tenho que montar o time, organizar o sistema de jogo. Se meus jogadores fizeram aquilo que estou propondo, fico tranquilo”. A declaração serve como uma tentativa de tirar a pressão sobre seus convocados. Campeão mundial em 2002 com o Brasil, ele conta com o apoio, e a paciência, da torcida. Os jogadores não têm o mesmo conforto.

Leia também:

‘Nunca desisti de jogar pelo Brasil’, diz goleiro Júlio César

A 500 dias da Copa, Brasil não tem uma seleção formada

Continua após a publicidade

Para Kaká, a necessidade de vitória vai além. Ele precisa jogar bem para garantir um lugar na equipe. Apesar de se esforçar para mostrar que está integrado ao grupo, é o único jogador que não deu entrevista. Até Neymar, preservado pela comissão técnica, falou no dia em que se apresentou e depois do jogo contra a Itália. Felipão não confirmou, mas Kaká deve entrar no lugar de Hulk. “O Kaká não pode jogar na função do Hulk? Pode. E o importante é que tenho alternativa. Se não der certo nos primeiros 15 minutos, tem como modificar por causa da qualidade dos jogadores. É como em 2002, quando invertia as posições do Rivaldo e do Ronaldo”, disse o treinador.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

As outras alterações no time em relação ao jogo contra a Itália são as entradas de Thiago Silva e Marcelo, nos lugares de Dante e Filipe Luis, respectivamente. A Rússia pode ser um bom teste para o Brasil. A equipe está descansada porque teve seu jogo contra a Irlanda do Norte adiado por causa da neve e lidera o Grupo F das Eliminatórias Europeias com 12 pontos em quatro jogos.

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade