Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil brilha no primeiro tempo e ganha da Dinamarca

Com uma equipe cheia de garotos e sem o astro Neymar, o Brasil teve boa atuação e derrotou a Dinamarca por 3 a 1, neste sábado, em Hamburgo, na Alemanha. A vitória convincente alivia um pouco a pressão sobre o técnico Mano Menezes.

Ficha técnica

BRASIL 3 X 1 DINAMARCA

BRASIL Jefferson; Danilo (Rafael), Thiago Silva, Juan e Marcelo (Alex Sandro); Sandro (Casemiro), Rômulo e Oscar; Lucas (Giuliano), Hulk (Bruno Uvini) e Leandro Damião (Wellington Nem). Técnico: Mano Menezes.

DINAMARCA Sorensen (Andersen); Wass, Kjaer, Agger e Simon Poulsen; Christian Poulsen (Jakob Poulsen), Zimling, Eriksen (Rommedhal) e Schöne (Kahlenberg); Bendtner e Kron-Dehli (Pedersen). Técnico: Morten Olsen.

GOLS Hulk, aos sete e aos 39, e Zimlig (contra), aos 12 minutos do primeiro tempo; Bendtener, aos 25 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO Felix Brych (Alemanha).

RENDA E PÚBLICO Não disponíveis.

LOCAL Imtech Arena, em Hamburgo (Alemanha).

No compromisso que abriu a série de quatro amistosos que a seleção está fazendo como preparação para a Olimpíada, Mano escalou uma equipe com média de idade de 22 anos. E o Brasil teve sucesso no primeiro jogo desde que o novo presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin, assumiu o cargo em março – Marin já avisou que a continuidade de Mano na seleção depende da performance na Olimpíada.

Mano teve desfalques importantes neste sábado. Daniel Alves e David Luiz foram cortados por contusão, enquanto Alexandre Pato não pôde jogar porque está fora da melhor forma física. Além disso, Neymar, Ganso e Rafael foram liberados do amistoso com a Dinamarca para defender o Santos na última quinta-feira, pela Libertadores.

Com esses desfalques, o treinador abriu mais espaço para os jovens na escalação da seleção. No time titular deste sábado, foram oito jogadores com idade olímpica – as exceções eram Jefferson, Thiago Silva, Marcelo e Hulk.

O jogo – Mesmo diante da imensa maioria de torcedores dinamarqueses no estádio lotado por 50 mil pessoas – Hamburgo fica perto da fronteira com a Dinamarca -, o Brasil mostrou tranquilidade em campo. Para isso, ajudou bastante o gol marcado por Hulk logo aos sete minutos, num chute de longe que contou com a falha do goleiro Sorensen.

O segundo gol saiu logo depois, aos 12 minutos, graças à principal virtude do Brasil no amistoso: a marcação sob pressão. Hulk roubou a bola no campo de ataque e Oscar aproveitou para fazer linda jogada antes de cruzar para o meio da área. Antes de Hulk poder finalizar, o volante Zimlig tentou cortar e marcou contra.

A Dinamarca foi obrigada a trocar dois jogadores por contusão – o goleiro Sorensen e o meia Schöne saíram já aos 24 minutos. E, aos poucos, começou a equilibrar as ações dentro de campo. Mas o Brasil voltou a marcar aos 39, quando Oscar roubou a bola no ataque e Hulk aproveitou para escapar da marcação e fazer 3 a 0.

No segundo tempo, com a queda de produção da seleção, Mano começou a mexer na equipe. Alex Sandro, Rafael, Wellington Nem, Bruno Uvini, Casemiro e Giuliano entraram – todos com idade olímpica. Mesmo assim, o Brasil não evitou o gol da Dinamarca, aos 25 minutos, quando o árbitro não deu o impedimento e Bendtner aproveitou para marcar.

Estados Unidos – Agora, a seleção brasileira parte uma série de três amistosos nos Estados Unidos. Na quarta-feira, enfrenta os donos da casa em Washington. Depois, já em junho, encara o México no dia 3 em Dallas e a Argentina no dia 9 em Nova Jersey. E, para os próximos jogos, terá o reforço de Neymar e Rafael, além da provável volta de Pato.

(Com Agência Estado)