Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil bate Argentina nos pênaltis e vence Superclássico

Seleção venceu nos pênaltis por 4 a 3, após perder por 2 a 1 no tempo normal

O Brasil conquistou nesta quarta-feira o segundo título seguido do Superclássico das Américas sobre a Argentina ao vencer nos pênaltis por 4 a 3, após ser derrotado por 2 a 1 no tempo normal da partida disputada no estádio La Bombonera.

Os argentinos abriram o placar com Scocco, Fred empatou para o Brasil e Scocco deixou a sua marca pela segunda vez. Como o Brasil vencera a ida, disputada em Goiânia, também por 2 a 1, a decisão foi para as penalidades máximas. Nas cobranças, Sebá, Scocco e Orión marcaram para a Argentina, enquanto Martínez parou em Diego Cavalieri e Montillo bateu por cima. Pelo Brasil, Thiago Neves, Jean, Fred e Neymar converteram. Apenas Carlinhos falhou.

Leia também:

Fred quer convencer Mano a mudar esquema da seleção

Apesar de colocar frente a frente dois dos maiores rivais do planeta, a partida deixou muito a desejar e ficou sonolenta em vários momentos. Depois de um início em marcha lenta, o jogo esquentou pela primeira vez aos 12 minutos. Neymar recebeu na intermediária, driblou dois zagueiros, evitou o terceiro e tentou acionar Fred na área. A bola, que encontraria o camisa 9 do Fluminense sozinho, acabou interceptada pela zaga.

A resposta da Argentina aconteceu apenas aos 24, quando Martínez tentou um voleio, mas errou o alvo. A partir daí, o Brasil saiu um pouco mais para o jogo e criou as duas melhores chances do primeiro tempo. Aos 28, Fred aparou para Paulinho, que bateu de fora da área e assustou Orión. Quatro minutos depois, Neymar perdeu uma oportunidade incrível. O camisa 11 ficou cara a cara com o goleiro argentino após receber de Arouca, mas errou o gol ao tentar a cobertura.

Segundo tempo – Na volta do intervalo, o Brasil levou um susto logo aos 3 minutos. Martínez recebeu completamente sozinho na área, mas errou o domínio e viu Diego Cavalieri sair para ficar com a bola. O lance de perigo foi uma exceção, já que depois disso as equipes voltaram ao marasmo da primeira etapa. Outro momento de mais emoção só aos 24, quando Martínez caiu na área em disputa com Lucas Marques e ficou pedindo pênalti. O árbitro, porém, acertou ao deixar o jogo seguir.

Capitão no duelo contra a Argentina, Réver levanta a taça do Superclássico Capitão no duelo contra a Argentina, Réver levanta a taça do Superclássico

Capitão no duelo contra a Argentina, Réver levanta a taça do Superclássico (/)

Notando a preguiça do time, o treinador Mano Menezes promoveu as estreias de três jogadores: Carlinhos, Jean e Bernard. As alterações não surtiram efeito, e a Argentina passou a pressionar o Brasil. Aos 34, o castigo veio em forma de pênalti, que não houve. Jean desarmou Martínez na bola e ainda fora da área, mas o corintiano desabou e induziu o árbitro a marcar a infração. Na cobrança, Scocco bateu no ângulo, sem chances para Cavalieri, e abriu o placar.

O gol, que levaria a decisão para os pênaltis, teve o efeito de acordar o Brasil imediatamente. A seleção brasileira, que pouco criara no segundo tempo, levou apenas dois minutos para empatar. Jean arriscou da meia-lua e sem querer achou Fred, que bateu de forma estranha mas marcou: 1 a 1.

Aos 45 minutos, quando a partida parecia decidida, Montillo arrancou da intermediária, levou a melhor sobre Ralf e Jean na direita e achou Scocco sozinho na área. O artilheiro do Newell’s Old Boys não perdoou e desempatou novamente, forçando os pênaltis. Nas cobranças, Sebá, Scocco e Orión marcaram para a Argentina, enquanto Martínez parou em Diego Cavalieri e Montillo bateu por cima. Pelo Brasil, Thiago Neves, Jean, Fred e Neymar converteram. Apenas Carlinhos falhou.

(Com agência EFE)