Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Bolt é bicampeão dos 100m com recorde olímpico

<p>O velocista jamaicano Usain Bolt conquistou neste domingo o bicampeonato olímpico dos 100 metros, nos Jogos de Londres, com o tempo de 9.63, recorde das Olimpíadas, à frente do compatriota Yohan Blake (9.75), prata, e do americano Justin Gatlin (9.79), bronze. Bolt, herói nas Olimpíadas de Pequim com três medalhas de ouro, não bateu neste […]</p>

Por Da Redação Atualizado em 11 jan 2022, 22h45 - Publicado em 5 ago 2012, 19h22

O velocista jamaicano Usain Bolt conquistou neste domingo o bicampeonato olímpico dos 100 metros, nos Jogos de Londres, com o tempo de 9.63, recorde das Olimpíadas, à frente do compatriota Yohan Blake (9.75), prata, e do americano Justin Gatlin (9.79), bronze.

Bolt, herói nas Olimpíadas de Pequim com três medalhas de ouro, não bateu neste domingo seu recorde mundial dos 100 metros, de 9.58. obtido em Berlim 2009, mas quebrou seu recorde olímpico de 9.69.

Aos 25 anos, o jamaicano ganha sua quarta medalha de ouro olímpica, após os 100, 200 e 4×100 metros dos Jogos de Pequim-2008.

A vitória afasta qualquer dúvida sobre seu domínio nos 100 metros, ameaçado por Blake com o título no Mundial de Daegu-2011, quando Bolt foi eliminado por queimar a largada.

Os americanos Tyson Gay (9.80) e Ryan Bailey (9.88) chegaram na quarta e quinta posições, respectivamente.

O jamaicano Asafa Powell chegou na oitava e última posição (11.99), após sofrer uma lesão e desistir no meio da prova .

Os outros sete finalistas correram abaixo dos dez segundos, com Tyson Gay ficando a um centésimo do pódio, em uma das finais mais espetaculares da história do atletismo.

Continua após a publicidade

“Não tive a melhor saída da minha vida, mas meu treinador me disse antes da corrida para não me preocupar porque sou o melhor. As pessoa podem falar o que quiser, mas quando chegam as grandes decisões, sempre estou aqui”, disse Bolt no estádio Olímpico de Londres.

Continua após a publicidade

Como sempre, o astro jamaicano não largou bem, mas passou os adversários na metade da prova para vencer com boa vantagem.

“Fiquei um pouco preocupado com minha saída. Derrapei um pouco. Não tenho boa reação (ao tiro de largada), mas mantive a confiança e esta foi a chave” da vitória. “O público foi fantástico. Sabia que seria assim aqui. Não tinha qualquer dúvida sobre isto”, revelou Bolt, que é um ídolo do público britânico.

Segundo Blake, 22 anos, Bolt “é o homem mais rápido do mundo”. “Fiquei com a medalha de prata. O que mais posso pedir? Ser o segundo homem mais rápido do mundo atrás de Bolt é uma honra”.

Bolt reconheceu o esforço de Blake, que “trabalha mais duro do que eu, mas sei o que fazer e tenho um grande talento”.

“Sei que da próxima vez ela fará melhor porque hoje estava um pouco estressado”, disse o campeão sobre seu amigo Johan Blake.

Bolt é o segundo atleta da história a conservar o título olímpico dos 100 metros, após o americano Carl Lewis (1984-1988).

Sob os aplausos do público, Bolt pegou a bandeira da Jamaica e deu a volta olímpica no estádio ao lado de Blake.

Bolt tentará agora repetir a façanha de Pequim-2008, onde levou a medalha dourada nas provas dos 100 e 200 metros e no revezamento 4×100 metros, para o qual contará com a ajuda de Blake, mas sem a presença de Asafa Powell, se a lesão deste domingo for confirmada.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade