Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Bolsonaro dá agasalho do Flamengo a Xi Jinping: ‘Melhor da atualidade’

Presidente, que diz ser torcedor do Botafogo e do Palmeiras, disse que todos os brasileiros e chineses serão rubro-negros na final da Libertadores

Por Estadão Conteúdo Atualizado em 25 out 2019, 10h30 - Publicado em 25 out 2019, 10h28

A boa fase do Flamengo, finalista da Libertadores, contagiou até mesmo Jair Bolsonaro, que se declara palmeirense e botafoguense. Em Pequim, o presidente brasileiro presenteou o mandatário da China, Xi Jinping, com um agasalho do clube carioca que, segundo ele, é o “melhor time brasileiro do momento”. O animado momento aconteceu depois de uma reunião bilateral no Palácio do Povo, na capital chinesa, nesta sexta-feira, 25.

Bolsonaro brincou que, devido ao bom desempenho do líder do Brasileirão, atualmente todos os brasileiros são flamenguistas. Ele afirmou ter certeza de que os 1,3 bilhão de chineses também torcerão pelo time na final a Libertadores.

“O esporte, em especial o futebol, nos une. Temos agora uma grande competição na América do Sul, agora o Brasil todo é Flamengo. E com toda certeza, 1,3 bilhão de chineses também serão no final do mês que vem”, afirmou Bolsonaro, antes de entregar o uniforme ao presidente chinês, que é um grande entusiasta da bola e investiu pesado no desenvolvimento dos clubes e campeonatos locais.

 

O futebol é tema recorrente no ambiente de trabalho de Bolsonaro, que já chegou a vestir uma camisa falsificada do Palmeiras em uma reunião ministerial. Na viagem que fez à Casa Branca, em março, Bolsonaro e o presidente Donald Trump trocaram camisas de suas respectivas seleções.

Bolsonaro, que foi batizado em homenagem ao ex-jogador do Palmeiras Jair Rosa Pinto, diz ser torcedor do Palmeiras e do Botafogo, mas já posou com camisas de vários clubes. Em junho, ele foi ao estádio Mané Garrincha e, ao lado de Sergio Moro, ministro da Justiça, assistiu ao duelo entre Flamengo e CSA, vestido de rubro-negro.

Bolsonaro e Moro com uniformes do Flamengo em Brasília Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Continua após a publicidade

Publicidade