Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Bernardinho comenta excesso de expectativa em torno da Seleção

Por Da Redação 7 jun 2012, 06h02

Depois de um início arrasador no século XXI, em que conquistou 15 títulos mundiais (três campeonatos mundiais, oito ligas, duas copas do mundo, uma copa dos campeões e a medalha de ouro nas Olimpíadas de Pequim) sob o comando do técnico Bernardinho, a Seleção Brasileira masculina de vôlei passa por um declínio na segunda década do século.

Embora permaneça na primeira colocação do ranking da FIVB (Federação Internacional de Voleibol), o vôlei brasileiro vive um período de instabilidade.

Em 2011, o Brasil conquistou apenas o título do Pan-americano de Guadalajara, em que, assim como a maioria das equipes, não jogou com a força máxima. Em 2012, na disputa da Liga Mundial, a equipe acumula três derrotas nas duas primeiras rodadas, duas para a Polônia e uma para a seleção do Canadá, e ocupa a segunda colocação do Grupo B.

Para o técnico Bernardinho, a cobrança em torno da Seleção Brasileira é natural, embora ele ressalte que a imagem de ‘imbatível’, gerada pelas conquistas dos títulos, não correspondia com a realidade.’Mesmo no auge, nós ficamos em terceiro lugar no Pan-americano e perdemos a Copa América. Ganhamos a maior parte das competições, o que criou toda essa expectativa, mas não é natural, porque grande parte das partidas que nós ganhamos foi por um set de diferença, mas gerava essa ideia, essa falsa impressão, de que nós éramos imbatíveis’, declarou.

As três derrotas do Brasil na Liga Mundial deste ano foram pelo placar de 3 sets a 2, fato analisado pelo treinador, que considera que este detalhe pode fazer toda a diferença no caso de uma competição disputada no mata-mata.

‘Eu sempre disse que há um equilíbrio e que a balança tende a pender para algum lado. O que nos preocupa nesse momento é que a balança tendia a pender um pouco mais pro nosso lado, e nos últimos três tie-breaks a gente perdeu’, avaliou.

Em segundo lugar no Grupo B da competição, dois pontos atrás da Polônia, o Brasil joga a terceira rodada da Liga Mundial em casa, a partir de sexta-feira, no Ginásio Adid Moyses Dib, em São Bernardo do Campo, região metropolitana de São Paulo.

Continua após a publicidade
Publicidade