Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bernard diz que vai voltar à Ucrânia. Mas com medo

Jogador anunciou que voltará ao Shakhtar Donetsk na próxima segunda-feira

O meia-atacante Bernard prometeu nesta quinta-feira retornar à Ucrânia para defender o Shakhtar Donetsk. Muito criticado por sua conduta pelo treinador da equipe, Mircea Lucescu, Bernard reconheceu que deveria ter se reapresentado no dia 10 de agosto. “Estou com receio de voltar à Ucrânia. Respeito os atletas que retornaram, mas é um sentimento muito particular e que envolve a minha vida e a de meus familiares. Definimos que, mesmo com todos esses problemas que o país vive e com meu receio explicado à diretoria do Shakhtar, vou voltar ao país no dia 18 de agosto”, escreveu em nota oficial o jogador que defendeu a seleção brasileira na Copa do Mundo.

Leia também:

Técnico do Shakhtar: ‘Bernard parece jogador de Twitter’

Técnico do Shakhtar: ‘Brasileiros são pouco profissionais’

Atacante brasileiro quer jogar pela seleção da Ucrânia

Brasileiro abandona clube ucraniano por conflito armado

Chamado por Lucescu de “jogador de Twitter” por dar muita atenção às redes sociais, mas não se relacionar com o restante do grupo, Bernard reiterou sua preocupação com a família. “Estou retornando a um país que vive um conflito que tem tirado muitas vidas e não há qualquer garantia de término. Mesmo assim, sou um profissional que irá cumprir o contrato que assinou. Apenas coloquei na balança, além do profissionalismo, o medo de envolver a mim e meus familiares em um conflito tão perigoso pelo qual passa a Ucrânia. Quem não faria isso?”

A Ucrânia passa por um momento de forte tensão política com a Rússia. Por causa dos conflitos em Donetsk, o Shakhtar não treina nem joga na cidade, mandando as suas partidas em outra cidade, Lviv, “Os problemas não acabaram, tanto que o próprio clube teve de mudar de sua sede para seguir suas atividades em uma cidade a 700 km de distância. Hoje, não posso retornar para Donetsk. Em casa ficaram os meus pertences pessoais e de minha família. Todas as minhas roupas, por exemplo, estão por lá. Objetos que levei da minha residência no Brasil hoje estão inacessíveis e não sei quando, e se, poderei um dia pegá-los de volta”, disse Bernard

(Com Estadão Conteúdo)