Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Beisebol: MLB faz correção histórica e reconhece títulos de ligas negras

Principal organização de beisebol dos EUA reconhece o feito de mais de 3.000 atletas negros que foram segregados entre 1920 e 1948

Por Da Redação Atualizado em 17 dez 2020, 11h26 - Publicado em 17 dez 2020, 11h18

Em mais um passo de adequação a um mundo antirracista, na esteira do que já ocorreu com grandes marcas americanas, a Major League Baseball, principal liga de beisebol dos Estados Unidos, anunciou na última quarta-feira 17 uma medida de “correção histórica”. As chamadas Negro Leagues, disputadas entre 1920 e 1930, período em que apenas brancos podiam disputar as ligas nacionais, foram reclassificadas como “grandes ligas”.

Com a mudança, mais de 3.400 jogadores de sete ligas negras distintas que operaram durante o período foram reconhecidos como campeões nacionais, o que alterará drasticamente os registros estatísticos. A MLB disse estar “corrigindo um descuido de longa data na história do jogo”.

A liga americana trabalhará com a Elias Sports Bureau, uma empresa especializada em estatísticas esportivas, para revisar os registros das Negro Leagues e descobrir a melhor forma de incorporá-los à história da MLB. As Negro Leagues começaram a se dissolver depois que Jackie Robinson se tornou o primeiro jogador negro da MLB, atuando pelo Brooklyn Dodgers, em 1947.

“Todos nós que amamos o beisebol sabemos há muito tempo que as Negro Leagues produziram muitos de nossos melhores jogadores, inovações e triunfos contra um pano de fundo de injustiça”, disse o comissário da MLB, Rob Manfred, em um comunicado. “Estamos agora gratos por contar com os jogadores das Negro Leagues a que pertencem: como uma grande liga dentro do registro histórico oficial”.

  • Bob Kendrick, presidente do Negro Leagues Baseball Museum em Kansas City, elogiou a decisão. “Na mente dos fãs de beisebol em todo o mundo, isso serve como uma validação histórica para aqueles que foram afastados das grandes ligas e tiveram a visão e a coragem de criar sua própria liga que ajudou a mudar o jogo e também o nosso país”, disse Kendrick em um comunicado.

    Artigo do New York Times destacou que o impacto em recordes individuais da MLB será pequeno, devido aos calendários mais curtos disputados nas Negro Leagues. No entanto, as marcas de algumas das maiores estrelas do jogo receberão ajustes. Willie Mays, por exemplo, ídolo do New York/San Francisco Giants, provavelmente receberá mais 17 rebatidas dos tempos em que atuou pelo Birmingham Black Barons.

    A reportagem destaca ainda que o grupo de sete ligas independentes já produziu 35 membros do Hall da Fama da do beisebol, como o próprio Mays, Larry Doby e Jackie Robinson, além de figuras que atuaram exclusivamente nas ligas Negras, como Josh Gibson e Oscar Charleston.

    O ano de 2020 foi marcado por diversas tensões raciais e personalidades do esporte como o campeão de Fórmula 1, Lewis Hamilton, a tenista Naomi Osaka, vencedora do Us Open, e, sobretudo o campeão da NBA LeBron James, eleito pela revista Time a personalidade esportiva do ano, se engajaram como nunca na luta contra o preconceito.

    A atitude da MLB, assim como os protestos de PSG e Istambul, que abandonaram o campo em uma partida da Liga dos Campeões na semana passada devido a um ato racista são os exemplos mais recentes de contribuição.

    Continua após a publicidade
    Publicidade