Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Boxe: Beatriz Ferreira e Hebert Conceição vencem e estão na final

Dupla baiana venceu com propriedade na madrugada desta quinta-feira. "Vai ser difícil tirar a medalha de ouro de mim", avisou Bia

Por Da Redação Atualizado em 5 ago 2021, 04h02 - Publicado em 5 ago 2021, 02h48

Dois atletas baianos vão em busca da medalha de ouro para o Brasil no boxe dos Jogos de Tóquio. Beatriz Ferreira confirmou seu favoritismo na categoria peso-leve feminino (até 60 quilos) na madrugada desta quinta-feira, 5, ao superar a finlandesa Mira Potkonen por decisão unânime dos juízes  (5 a 0) na semifinal. Horas depois, Hebert Conceição venceu o russo Gleb Bakshi por decisão dividida (4 a 1) e chegou à decisão do peso-médio masculino (até 75 quilos).

Na decisão feminina, marcada para o próximo domingo, às 2h (de Brasília), Beatriz Ferreira, a atual campeã mundial e líder do ranking da modalidade, enfrentará a irlandesa Kellie Harrington, que na outra semifinal bateu a tailandesa Sudaporn Seesondee, por decisão dividida (3 a 2).

  • “Eu quero a medalha dourada, vou brigar até o fim. Vamos adiante, vamos subir no pódio, ficar no lugar mais alto e ouvir o nosso hino. Vai ser difícil tirar ela de mim. Treinei o tempo todo pra isso”, afirmou a atleta de 28 anos ao Sportv.

    Beatriz Ferreira já garantiu, assim, a melhor campanha de uma brasileira na modalidade, superando a medalha de bronze de Adriana Araújo em Londres-2012, edição que marcou a estreia da disputa feminina no ringue. Antes das semifinais, a brasileira já havia vencido com facilidade, por decisão unânime dos juízes,  a chinesa Wu Shin-yi e a uzbeque Raykhona Kodirova.

    No masculino, Hebert Conceição, de 23 anos, teve atuação brilhante diante do russo Gleb Bakshi e agora vai enfrentar na final outro atleta da escola do leste europeu, o ucraniano Oleksandr Khyzniak. O duelo está marcado para a madrugada de sexta para sábado, às 2h45 (horário de Brasília).

    “Estou muito feliz com minha classificação pra final e com meu desempenho. É pouco tempo pra poder pensar e descansar. É só tirar o peso, aproveitar um pouquinho com a família, com os amigos, responder algumas mensagens, mas voltar logo para o foco, porque o ouro nunca esteve tão próximo, e agora é hora de abraçar essa oportunidade, fazer meu máximo, deixar toda minha energia dentro do ringue para poder buscar mais uma medalha de ouro para o Brasil”, afirmou o atleta de Salvador à Rede Globo.

    O boxe brasileiro confirma, assim, o melhor momento de sua história olímpica. Servílio de Oliveira abriu o caminho com o bronze no México-1968. Os outros pódios só vieram a partir de Londres-2012, com os irmãos Esquiva Falcão e Yamaguchi Falcão e Adriana Araújo. Em 2016, Robson Conceição se tornou o primeiro campeão do país. Já em Tóquio, Abner Teixeira faturou mais um bronze.

    Na Hebert Conceição enfrentará ucraniano na final

    Hebert Conceição enfrentará ucraniano na final

    Continua após a publicidade
    Publicidade