Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Barrada na Copa, cervejaria quer lucrar com shows e UFC

Itaipava fechou contrato com estádios do Mundial, mas não estará nos eventos

“Nós já sabíamos da questão da Copa quando fizemos a nossa avaliação. Não estamos apenas comprando os naming rights. Teremos também outros produtos capazes de produzir receitas”, diz o diretor da Itaipava

A Itaipava, marca do Grupo Petrópolis, já fechou contrato de naming rights com duas arenas da Copa das Confederações e ainda negocia um acordo semelhante com o Itaquerão, palco da abertura do Mundial de 2014. A cervejaria, no entanto, está excluída dos dois torneios: mesmo tendo um contrato de exclusividade com as arenas, o patrocínio não vale durante os torneios, já que apenas os patrocinadores da Fifa têm direito a explorar os espaços durante os eventos. Ou seja: durante os dez anos de contrato com a Arena Fonte Nova e a Arena Pernambuco, a Itaipava terá sua marca na fachada e o Grupo Petrópolis será a único fornecedor a vender bebidas nos bares e lanchonetes dos estádios; durante a Copa, no entanto, o nome da cervejaria não poderá ser usado e as bebidas serão de concorrentes, como a Budweiser, parceira oficial da Fifa. Apesar disso, a empresa se diz confiante no retorno dos contratos – e já planeja outras formas de buscar lucro.

Leia também:

Após Fonte Nova, cervejaria fecha com Arena Pernambuco

Pressionada por torcida, Allianz já cogita o nome ‘Palestra’

Arena Palmeiras, Allianz e a pergunta de R$ 300 milhões

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

“Nós já sabíamos da questão da Copa quando fizemos a nossa avaliação. Não estamos apenas comprando os naming rights. Teremos também outros produtos capazes de produzir receitas”, explicou Costa. A diversificação de eventos nas arenas pode ajudar também na venda dos produtos da marca – afinal, se nas partidas de futebol é proibida a venda de bebidas alcoólicas, nos shows e noitadas de UFC a companhia poderá reforçar sua receita com a venda de cerveja. Para dar o nome de Itaipava Arena Pernambuco ao estádio, a cervejaria fechou um contrato de 100 milhões de reais por um período de dez anos. O valor é o mesmo que o grupo pagou pela Arena Fonte Nova, em Salvador, mas está abaixo de outros estádios do país. A Allianz, por exemplo, pagará 300 milhões de reais por 20 anos na nova arena do Palmeiras. O Corinthians almeja nada menos que 400 milhões de reais em sua futura casa. O diretor da Itaipava nega, porém, que os valores pagos em Salvador e Recife estejam abaixo da realidade do mercado. “Acho que está bem dimensionado.”

(Com agência Gazeta Press)