Autoridades e colegas apoiam jogador ameaçado por torcedores no Chile

Por Da Redação - 9 abr 2012, 21h36

Santiago (Chile), 9 abr (EFE).- Autoridades e jogadores chilenos declararam nesta segunda-feira seu apoio incondicional ao atacante Carlos Muñoz, do Colo-Colo, que há alguns dias foi ameaçado por torcedores ‘barras bravas’ de sua equipe.

‘Todos são uma mesma equipe, unidos contra a violência, sem ameaças e sem confrontos’, declarou a juíza Cecilia Pérez, da região metropolitana de Santiago.

‘Não é possível o que aconteceu com Muñoz, sentimos que o que mais importa é proteger a integridade de um jogador de futebol. Um jogador não pode ser agredido impunemente’, acrescentou Cecilia.

Após um treino da semana passada, o jogador do Colo-Colo foi interceptado por um carro que contava com quatro integrantes da barra brava ‘Garra Blanca’.

Publicidade

‘Não foi de forma violenta, nem com ameaças, só me passaram suas opiniões e eu lhes expliquei a minha. A verdadeira ameaça veio depois, quando nos concentramos na sexta-feira passada no hotel. Recebi um telefonema em meu quarto do chefe da barra, Pancho Malo. Ele me disse que não seria responsável pelo que me acontecesse, que eu tinha que pedir desculpas públicas e ter cuidado porque eles iriam me causar perigo. Não me deixou falar, tirou o telefone, foi prepotente. Com ele não se pode conversar’, disse o atleta, segundo o site oficial do clube chileno.

Nesta segunda-feira em Santiago, os capitães de todas as equipes locais demonstraram seu apoio ao atacante da equipe chilena. O capitão da Universidad de Chile, José Rojas, destacou em entrevista coletiva que todos os atletas deveriam se unir.

‘Neste momento, é preciso tirar a camisa que cada um veste e pensar que todos somos uma só família na qual há pais e filhos envolvidos’, disse Rojas, capitão da ‘La U’, tradicional rival do Colo-Colo, e que no começo do ano esteve perto de assinar contrato com o Botafogo, mas foi reprovado nos exames médicos. EFE

Publicidade