Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Austríaco rompe a barreira do som ao saltar da estratosfera

O aventureiro Felix Baumgartner subiu a quase 40 mil metros de altitude para realizar salto histórico

Às 15h08 (horário de Brasília) deste domingo, o austríaco Felix Baumgartner fez história ao se tornar o primeiro homem a romper a barreira do som num salto livre. A aventura tivera início um minuto antes, às 15h07, quando Baumgartner deixou a cápsula que o levou à estratosfera. O austríaco estava a 39 mil metros de altitude quando iniciou o salto, que foi concluído às 15h15, momento em que ele pisou no solo, na cidade de Roswell, nos Estados Unidos. O recorde anterior foi anotado em 1960 pelo norte-americano Joe Kittinger, coronel da Força Aérea Americana que saltou de uma altitude de 31,3 mil metros.

Leia mais:

Austríaco parte em cápsula rumo à estratosfera

Patrocinado pela marca Red Bull, o austríaco de 43 anos rompeu a barreira do som, conforme o previsto, nos primeiros segundos de queda livre. Em condições normais, na atmosfera terrestre, a velocidade do som é de 1.234 km/h, enquanto que na estratosfera ela pode ser atingida a 1.110 km/h devido à menor resistência do ar.

A queda livre de Baumgartner foi de quatro minutos e 19 segundos, o que não permitiu que ele batesse o recorde mundial nesta modalidade, que era de quatro minutos e 36 segundos. O austríaco conseguiu controlar a queda e evitou cair em parafuso, o que poderia tê-lo levado a perder a consciência – e à morte.

Depois da queda livre, ele abriu o paraquedas que o conduziu até o chão. A maior preocupação de sua equipe era com a integridade de seu traje. A roupa feita especialmente para o salto foi necessária para contrabalançar a pressão baixíssima exercida pela atmosfera sobre o corpo de Baumgartner a uma altitude tão elevada, onde o ar é extremamente rarefeito.

Segundo os técnicos, qualquer furo no traje poderia ser fatal para o austríaco, já que sob pressão tão baixa, seus órgãos poderiam explodir. Para saltar, o austríaco respirou oxigênio puro para eliminar o nitrogênio de seu sangue, que tenderia a se expandir em alturas elevadas e com isso ameaçar sua saúde. O traje também foi essencial para proteger seu corpo das temperaturas de até 70 graus abaixo de zero registradas na estratosfera.

Após várias horas de atraso devido ao vento em Roswell, o balão que leva o aventureiro partiu às 12h29, no horário de Brasília. A subida até a altura planejada demorou cerca de duas horas e meia.

Em sua página no Twitter, o austríaco escreveu, logo após chegar ao solo: “Missão cumprida”. Ele fará uma coletiva de imprensa ao longo da tarde deste domingo para relatar como se sentiu durante os minutos em que esteve em queda livre.

“Queremos estender os limites da humanidade um pouco mais”, disse Baumgartner horas antes de começar o desafio. O balão utilizado neste domingo foi o maior já utilizado e chegou a medir 180 metros de altura em uma das fases da subida.

Preparação – O austríaco se preparou por cinco anos para esta missão e tentava romper quatro recordes: ser o primeiro a superar a velocidade do som sem ajuda mecânica; realizar o mais alto salto de paraquedas; protagonizar a queda livre mais longa; e subir ao ponto mais distante da Terra. Seu principal assessor foi justamente Joe Kittinger, hoje com 84 anos.

A velocidade da queda do austríaco será verificada pelos instrumentos que ele levava em seu traje. Analistas e especialistas ratificarão a informação de que ele quebrou a velocidade do som.

O salto coincide com o 65º aniversário da primeira vez em que a barreira do som foi rompida. O feito é do americano Chuck Yeager, a bordo de um caça X-15, no dia 14 de outubro de 1947.

(Com EFE)