Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Atacante palmeirense não consegue explicar queda no mês das bruxas

Ricardo Bueno abriu um sorriso amarelo ao ser questionado sobre outubro, o ‘mês das bruxas’. O atacante preferiu não relacionar a má fase do Palmeiras à época de Halloween, mas também não soube explicar a ausência de vitórias de sua equipe: foram quatro derrotas e dois empates no período.

Crise se agravou no mês das bruxas

‘Às vezes a gente faz bons jogos e não consegue a vitória. É difícil explicar. A gente continua trabalhando durante a semana da mesma maneira para jogar bem. Às vezes conseguimos e a vitória não vem’, lamentou o jogador, que balançou as redes uma vez em dez jogos no Alviverde.

A queda vertiginosa do time, na verdade, coincide com a virada de turno. Na segunda metade do Campeonato Brasileiro, o Verdão obteve seis derrotas, seis empates e apenas uma vitória. Nesses 13 jogos, o ataque teve dificuldades e anotou apenas 12 gols. Além disso, problemas como a agressão de torcedores a João Vitor e o afastamento de Kleber conturbaram o ambiente e atrapalharam o trabalho do técnico Luiz Felipe Scolari.

Mas os números do Palmeiras em outubro são, de longe, os mais assustadores desse período instável. Esse foi o único mês em que o time não conseguiu vencer sequer uma partida. Para completar, o índice de aproveitamento foi inferior ao de qualquer equipe que briga contra a zona da degola: menos de 12%.’É complicado. Há um mês estávamos brigando por um título e agora nos encontramos nessa situação. É muito dinâmico. Você pensa em título, Libertadores e um mês depois já está ouvindo críticas’, acrescentou Ricardo Bueno, esperando que a chegada de novembro ajude o Palmeiras a reencontrar o caminho das vitórias.

‘Queremos voltar a vencer e a partir disso trabalhar com mais tranquilidade para conseguir uma sequência’, projeta o centroavante, que garante não temer pelo rebaixamento. ‘Em momento algum isso passou na minha cabeça. Mesmo porque precisamos de uma vitória para escapar. Claro que passam os jogos e a gente não vence, mas ainda não penso nisso’.

A seis rodadas do fim da competição nacional, o Palmeiras ocupa a 13posição, com 41 pontos. O Ceará, primeiro integrante da zona da degola, tem 32. Nas contas dos jogadores alviverdes, um triunfo contra o Coritiba, domingo, em Barueri, sepulta os riscos de queda.