Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

As marcas incríveis dos alemães no massacre do Mineirão

A semifinal entre Brasil e Alemanha, na terça-feira, no Mineirão, foi uma prova irrefutável de que futebol não é matemática – afinal, quem observa apenas as estatísticas da partida pode até achar que a partida foi relativamente equilibrada, apesar do placar quase inacreditável, 7 a 1. Os alemães tiveram uma ligeira vantagem na posse de bola (53% contra 47%) e nas disputas de bola ganhas (com esses mesmos porcentuais). No total, os alemães tentaram catorze finalizações contra dezoito dos brasileiros. A primeira finalista da Copa do Mundo do Brasil só acertou dois chutes a mais que a equipe da casa, dez a oito. Seu aproveitamento, porém, foi de nada menos de 70%. Os alemães trocaram 509 passes, contra 443 dos brasileiros, e acertaram menos que os rivais, 84% contra 86% dos anfitriões. O resultado foi decidido mesmo pelo extraordinário índice de acerto das finalizações alemãs. Todos esses números provavelmente serão esquecidos. Ficarão, porém, muitas outras marcas, que traduzem bem melhor a importância e o impacto da façanha obtida pela equipe do técnico Joachim Löw em Belo Horizonte. A Alemanha já fez história nesta Copa do Mundo – e alguns de seus recordes certamente resistirão a várias outras edições do torneio.

(Giancarlo Lepiani, de Belo Horizonte)

Leia também:

No maior pesadelo do futebol do Brasil, Alemanha faz 7 a 1

‘Sei como Felipão está se sentindo’, afirma técnico alemão

Felipão lamenta a ‘pane’, pede desculpas e assume a culpa

Meia Toni Kroos atropela Brasil – e depois diz sentir ‘pena’

Para Felipão, metade de sua equipe estará de volta em 2018

Antes da despedida, Brasil terá 3 dias para juntar os cacos

Veja a repercussão da derrota histórica do Brasil no exterior