Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Armstrong se nega a prestar juramento a agência antidoping

Ex-ciclista não vai repetir para a instituição a confissão que fez a Oprah Winfrey

Por Da Redação 21 fev 2013, 04h46

Lance Armstrong se recusou, nesta quarta-feira, a colaborar com as investigações da agência antidoping dos Estados Unidos (Usada) sobre o uso de substâncias ilegais no ciclismo. A instituição tinha esperanças de que o americano concordasse em depor sob juramento em troca da revisão de sua pena de banimento do esporte — que poderia ser convertida em uma suspensão de oito anos.

Leia também:

Lance Armstrong admite: venceu as Voltas da França dopado

Agência antidoping diz que Armstrong mentiu para Oprah

Acusado pela Usada de participar do “mais sofisticado programa de doping” da história do esporte, Armstrong perdeu todos os seus sete títulos da Volta da França — o torneio mais prestigiado da modalidade — e foi proscrito do ciclismo. Em uma entrevista concedida à apresentadora Oprah Winfrey em janeiro, o ex-campeão admitiu ter conquistado suas vitórias sob efeito de substâncias ilegais. A confissão de Armstrong em rede nacional animou os diretores da Usada, que reforçaram o convite para o ex-ciclista cooperar com a agência. “Se ele é sincero em seu desejo de corrigir os erros do passado, irá depor sob juramento sobre todas as relações com atividades dopantes”, afirmou na época o presidente da organização, Travis Tygart.

Continua após a publicidade

Armstrong, no entanto, frustrou a agência ao se recusar a colaborar. O advogado do atleta, Tim Herman, justificou a negativa explicando que a jurisdição da Usada está limitada aos Estados Unidos, enquanto o ciclismo é um esporte “quase exclusivamente europeu”. “Lance não participará das tentativas da Usada de lançar processos judiciais americanos que só irão demonizar alguns indivíduos ao tempo que evitarão 95% do esporte”, afirmou. Herman acrescentou que Armstrong estaria disposto a cooperar com um tribunal “internacional e abrangente”.

Leia também:

Bradley Cooper quer viver Lance Armstrong no cinema

O prejuízo de Armstrong: sete títulos e 25 milhões de reais

O presidente da Usada, Travis Tygart, lamentou a decisão do ex-campeão e especulou que Armstrong estaria preocupado com as possíveis consequências criminais de uma confissão sob juramento. “Continuaremos nossa investigação sem ele e seguiremos trabalhando de perto com a Agência Mundial Antidoping e com outras autoridades internacionais apropriadas para cumprir nosso compromisso de proteger o direito dos atletas de competir em um campo livre de drogas”, disse ele.

(Com agências EFE e Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade