Clique e assine a partir de 9,90/mês

Argentina joga final para apagar trauma alemão

Seleção vizinha perdeu uma final (1990) e os dois últimos encontros em Copas para a Alemanha

Por Da Redação - 11 jul 2014, 10h02

A fanática torcida argentina costuma brincar que ouvir o hino nacional da Alemanha causa calafrios. E a razão para isso está nas últimas duas Copas. Tanto em 2006 quanto em 2010, a Argentina foi eliminada nas quartas de final justamente pela Alemanha.

Em 2006, em tenso confronto em Berlim que acabou em briga depois dos pênaltis, a Alemanha levou a melhor e festejou diante de sua torcida. A eliminação argentina de 2010 foi mais cruel, com um 4 a 0 que até o 7 a 1 de terça-feira era referência de massacre de uma seleção campeã perante outra.

Leia também:

Fascinado pela Alemanha, Sabella teme o desgaste físico

Continua após a publicidade

Parreira fala num ‘trabalho perfeito’ da CBF e da seleção

​As marcas incríveis dos alemães no massacre do Mineirão

A Argentina contará no domingo com dois remanescentes que estiveram em campo em ambas as eliminações, os meio-campistas Javier Mascherano e Máxi Rodríguez. Titular em 2010, o zagueiro Demichelis admite que o sentimento de desforra já é alimentado para o jogo do Maracanã: “Temos uma espinha engasgada, e trata-se de uma final. É a chance para reivindicar algo que é nosso”, comentou. Além de Mascherano, Rodríguez e Demichelis, os outros jogadores da atual Argentina que foram goleados em 2010 são Romero, Messi, Higuaín, Agüero e Di María.

O discurso alemão é oposto ao argentino. “Só penso no trabalho que temos de fazer para o jogo de domingo, não no que passou”, resumiu o atacante Klose. “É importante levar a campo algo que o adversário não espere.”

Continua após a publicidade

Finalistas deste domingo, Argentina e Alemanha serão as seleções que mais vezes se encontraram nas finais de Mundiais: três. Em 1986, tendo Maradona como craque, a Argentina saiu-se melhor no Mundial do México e ganhou por 3 a 2. Quatro anos depois, na Itália, em 1990, a Alemanha venceu a final por 1 a 0, gol de pênalti de Brehme.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade