Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Argentina e EUA fazem duelo marcado pela rivalidade no basquete masculino

<p>Londres, 5 ago (EFE).- Últimas duas seleções a conquistar o título olímpico no basquete masculino, Argentina e Estados Unidos se enfrentam nesta segunda-feira pela última rodada do grupo A da modalidade nos Jogos de Londres, em um duelo cheio de rivalidade. Os sul-americanos acabaram com a hegemonia americana, iniciada com o ‘Dream Team’ em Barcelona […]</p>

Por Da Redação Atualizado em 11 jan 2022, 22h47 - Publicado em 5 ago 2012, 13h49

Londres, 5 ago (EFE).- Últimas duas seleções a conquistar o título olímpico no basquete masculino, Argentina e Estados Unidos se enfrentam nesta segunda-feira pela última rodada do grupo A da modalidade nos Jogos de Londres, em um duelo cheio de rivalidade.

Os sul-americanos acabaram com a hegemonia americana, iniciada com o ‘Dream Team’ em Barcelona 1992, passando por Atlanta 1996 até Sydney 2000. Em Atenas 2004, as seleções se enfrentaram nas semifinais, com vitória argentina, por 89 a 81, no dia 27 de agosto daquele ano. No dia seguinte, veio o ouro para a seleção comandada pelo atual técnico da seleção brasileira, Ruben Magnano.

Nesta segunda-feira, Argentina e Estados Unidos encerram a primeira fase do torneio masculino. Os campeões dos Jogos de Pequim 2008 estão praticamente garantidos na primeira posição. Para perder a liderança, os EUA teriam que perder por diferença improvável de 55 pontos.

Aos argentinos, uma vitória simples deve garantir o segundo lugar, pois, apesar do empate em pontos contra a França, a vantagem no saldo de pontos (53 contra -7) deixa uma margem tranquila. Uma derrota para os americanos, contudo, pode custar a vice-liderança, caso os franceses tenham vencido a Nigéria.

‘Vamos jogar pelo que é preciso. Esse é o plano inicial’, disse à Agência Efe o técnico da seleção argentina Julio Lamas, garantindo que seus comandados entrarão em quadra sem pensar no favoritismo da adversária, considerada a principal candidata ao ouro olímpico.

A última rodada, por exemplo, mostrou que os americanos podem ser superados. A Lituânia, que perdeu na primeira rodada para os argentinos, fez grande partida, chegou a liderar o marcador no último quarto, mas perdeu no fim do duelo por 99 a 94, com participação fundamental de LeBron James.

Ao contrário do que fez antes dos jogos contra Nigéria e Lituânia, hoje o técnico americano, Mike Krzyzewski, não cancelou o treino na véspera da partida, mostrando um tratamento diferente, contra um rival, que além da vitória em 2004, também bateu os Estados Unidos no Mundial de 2002. EFE

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade