Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Arbitragem e clubes brasileiros: duas vergonhas na Libertadores

Incompetente, Brasil ficou sem finalista pelo 3º ano consecutivo, enquanto arbitragem voltou a causar revolta. Os dois problemas precisam ser resolvidos

O São Paulo não pode culpar apenas a arbitragem pela eliminação na Copa Libertadores, já que foi dominado pelo Atlético Nacional de Medellín, time de melhor campanha do torneio, nas duas partidas da semifinal. No entanto, assim como em anos anteriores, a atuação dos árbitros nesta edição foi tão vergonhosa quanto a campanha dos clubes brasileiros – que pelo terceiro ano consecutivo não conseguiram chegar à final, mesmo gozando de recursos financeiros bastante superiores aos dos vizinhos. A atuação dos árbitros e da Conmebol ao longo da Libertadores tem causado revolta há vários anos. A última vítima foi o São Paulo, que tem, sim, motivos para protestar – ao contrário da equipe colombiana, que foi beneficiada também em fases anteriores.

Na partida de ida no Morumbi, o árbitro argentino Mauro Vigliano expulsou o zagueiro Maicon por um infantil e flagrante empurrão no pescoço de Miguel Borja já na segunda etapa. Minutos depois, o São Paulo levou os gols da derrota por 2 a 0. A decisão do árbitro, se não foi errada, certamente foi bastante rigorosa. No jogo de volta, o time brasileiro ainda reclamou de um pênalti não marcado em Hudson, em lance controverso, e das expulsões de Diego Lugano e Wesley. Ao final da partida, o presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, disse que os clubes brasileiros são perseguidos e que a arbitragem do chileno Patricio Polic foi “vergonhosa e tendenciosa, voltada a não permitir que o São Paulo conseguisse um bom resultado”.

Não há evidências de que Polic tenha agido de má-fé, mas a sua escalação não era recomendável. O juiz se envolveu em um grande escândalo, em 2003: teve uma atuação desastrosa no jogo entre os chilenos Universidad Católica e Provincial Osorno, pela fase classificatória da Copa Sul-Americana – marcou um pênalti inexistente para a Universidad, anulou um gol legítimo do adversário e ainda mandou repetir uma cobrança de pênalti.  Ele teve que sair do estádio escoltado pela polícia e foi suspenso do futebol por oito meses. Além disso, Polic apitou poucas partidas da Libertadores desde seu retorno à competição, em 2010 (um jogo em 2015 e quatro neste ano) e não é considerado um árbitro de primeira linha.

O técnico argentino do São Paulo, Edgardo Bauza, ainda  chamou atenção para dois fatos relevantes. “A arbitragem também teve problemas aqui nos jogos com Huracán e Rosario Central. Não sei se é coincidência”, comentou “Patón” após a partida desta quinta-feira. De fato, nas oitavas e nas quartas de final, os adversários dos colombianos também tiveram jogadores expulsos e reclamaram de pênaltis não marcados. Bauza, campeão da Libertadores por LDU (2008) e San Lorenzo (2014) também ressaltou que, horas antes do jogo, a Conmebol suspendeu Maicon por três jogos pela “agressão” no jogo de ida. Por isso, ele perderia até as finais caso o São Paulo tivesse se classificado.

O mesmo “rigor” já havia sido demonstrado pela Conmebol com os rivais do São Paulo. Gabriel Jesus, do Palmeiras, foi punido com três jogos de suspensão por ter sido expulso na partida contra o Rosario Central, na primeira fase. Na ocasião, o jovem atacante recebeu um soco do argentino Damián Musto e revidou com um chute. O árbitro viu apenas o revide e expulsou Jesus, que foi punido por agressão – enquanto o adversário nem sequer foi julgado. No ano passado, o mesmo aconteceu com Emerson Sheik, então no Corinthians, que revidou uma entrada de Rafael Tolói, do São Paulo, com um chute, foi expulso e levou dois jogos de suspensão – perdeu as oitavas de final, na qual o Corinthians foi eliminado pelo Guaraní, do Paraguai.

Emerson lamenta cartão, durante jogo entre Corinthians e Boca Juniors, pela copa Libertadores, no estádio Pacaembu em São Paulo Atuação do paraguaio Carlos Amarilla revoltou corintianos em 2013

Atuação do paraguaio Carlos Amarilla revoltou corintianos em 2013 (Reinaldo Canato/VEJA)

Histórico – As controvérsias envolvendo arbitragem acompanham a Libertadores desde sua criação, em 1960 – um dos fatores, inclusive, que fizeram com que clubes brasileiros “esnobassem” o torneio até a década de 90. No ano passado, escutas telefônicas na Argentina flagraram Julio Grondona (ex-vice-presidente da Fifa e presidente da federação argentina entre 1979 e 2014, ano de sua morte) relembrando erros contra o Santos de Pelé, em 1964, e o Corinthians, em 2013.

Em conversa com Abel Gnecco, representante da federação argentina no Comitê de Arbitragem da Conmebol, gravadas em 2013, Grondona disse ter escalado um auxiliar para prejudicar o Santos na semifinal de 1964 diante do Independiente, o time que presidia (clique e relembre o caso). A equipe do bairro de Avellaneda venceu aquela edição e é a maior vencedora da Libertadores, com sete conquistas. Na mesma conversa, Grondona e Gnecco levantaram suspeitas sobre a arbitragem do paraguaio Carlos Amarilla na eliminação do Corinthians para o Boca Juniors, nas oitavas de final, em 2013. Amarilla, que errou em quatro lances cruciais, sempre a favor dos argentinos, teria sido escalado a mando da Conmebol. O árbitro jamais foi punido pela atuação desastrosa no duelo do Pacaembu.

A  criticada comissão de arbitragem da Conmebol tem um presidente brasileiro desde o início deste ano: o ex-juiz Wilson Luís Seneme. Apesar disso, muitos dirigentes reclamam da “falta de influência” do país nos bastidores da entidade. “Talvez não queiram que o futebol brasileiro se afirme no cenário do continente”, atacou Barros e Silva nesta quarta-feira. Nos últimos anos, Fluminense, Atlético-MG, Corinthians e outras equipes do país se manifestaram contra a Conmebol, em relação à arbitragem e às premiações baixas.

O fato de o Brasil ter ficado fora da decisão da Libertadores pelo terceiro ano seguido (o que não ocorria desde 1991) é um vexame enorme, sobretudo por motivos econômicas, já que o país tem sido o destino preferido dos principais jogadores de países vizinhos.  O São Paulo  não foi eliminado só por causa da arbitragem, assim como Palmeiras (que caiu na primeira fase), Corinthians e Grêmio (oitavas) e Atlético-MG (quartas). A crise do futebol nacional e a péssima arbitragem da Libertadores são dois problemas distintos, graves, e precisam ser resolvidos urgentemente.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. sidney abreu

    O nosso futebol espelha o momento pelo qual passamos… A nossa CBF dirigida por um bandido que sequer pode sair do país ( vergonha ) não tem condições morais para pleitear nada ante as autoridades internacionais esportivas. Reflexo também na política interna…. Acorda povo e vamos exigir o que é nosso e não deles…

    Curtir

  2. Antonio Geraldes

    Mimimi….se tivesse time passava por cima do Nacional e do juiz, o time é fraco e arrumaram uma tábua de salvação para esconder a incompetência

    Curtir

  3. Marcio Oliveira

    Faltou falar que o primeiro gol do Atlético lá na Colômbia ainda foi irregular.
    Isto é, expulsão rigorosa no Brasil, gol irregular de empate, penalti não marcado a favor e marcado contra. Três expulsões estranhas.
    Não justifica a falta de capacidade do SP para tanto, mas com certeza a arbitragem influenciou na eliminação. E olha q torço pra Portuguesa!

    Curtir