Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Após indisciplina e goleada, Borghi balança no comando do Chile

Por Da Redação 12 nov 2011, 18h54

Nas três primeiras partidas das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2014, o Chile conquistou uma vitória e, com apenas três pontos ganhos, ocupa a oitava posição de nove na tabela de classificação. A má fase da equipe a confusão da apresentação na última semana estão fazendo com que Claudio Borghi não seja mais uma unanimidade no comando técnico da seleção.

Apesar dos aplausos da torcida na chegada a Pudahuel, na região metropolitana de Santiago, onde a equipe recebe o Paraguai na próxima terça-feira, o clima já não é o mesmo, principalmente por conta da dispensa de cinco jogadores que se atrasaram na apresentação.

Gonzalo Jara, Jean Beausejour, Carlos Carmona, Arturo Vidal e Valdívia, que joga no Palmeiras, ficaram fora da goleada sofrida diante do Uruguai por 4 a 0 e provavelmente não voltarão a ser convocados por Borghi para a seleção chilena durante as Eliminatórias, principalmente o palmeirense, que é reincidente.

Assim que foram dispensados, os cinco se disseram inocentes e ainda garantiram que o treinador mentiu em suas declarações de que houve confusão com outros jogadores após o retorno, já que os cinco estavam alcoolizados.

Vidal retornou ao time da Juventus, mas os outros quatro continuam bradando contra Borghi, e também ganharam o reforço do capitão da equipe, o goleiro Cladio Bravo que afirmou que nenhum dos cinco brigou ou se envolveu em bate-boca com outros jogadores.

Apesar disso, o camisa 1 deixou claro que a decisão de Borghi de afastar os cinco é soberana: ‘Ele é o responsável por fazer e desfazer, que é a mesma responsabilidade que nós temos de cumprir normas, o que não aconteceu naquele caso. Não há motivo e nem os jogadores vão se movimentar para tirar o Borghi’.

Continua após a publicidade
Publicidade